Volvo V60 D3 – Beleza ao natural

Volvo_V60_D3A Volvo vendeu durante muitos anos o argumento da segurança nos seus modelos. Embora apostando muito nele nos dias de hoje, existem outras importantes apostas, como é exemplo o design de produtos como a carrinha V60.

São diversos os sinónimos que podem classificar a beleza deste modelo, mas pensamos que desportividade e elegância são os que melhor se enquadram.

No interior a Volvo oprtou por ser um pouco mais conservadora. O desenho do tablier segue a linha de outras criações da marca, onde se destaca a funcionalidade, mas a construção é sólida apresentando materiais que são muitos agradáveis ao toque.

A qualidacde dos materiais usados nos revestimentos dos bancos reforçam o prazer de estar a bordo da V60.

Para ajudar na boa impressão que esta Volvo deixa no condutor, destaque para a posição de condução que se ajusta de forma fácil e intituiva, devido às diversas regulações permitidas da direcção e do banco, que por sinal é bastante envolvente.

Rapidamente nos entendemos com os muitos botões que temos ao nosso dispor na consola central. Por falar nisso, tínhamos na V60 ao nosso dispor o Pack Driver Support. Este sistema, que é constituído por diversos equipamentos de conveniência / ajuda à condução como o Adaptive Cruise Control with Full Auto Brake, Pedestrian Detection (Sistema de detecção de peões), BLIS (sistema de aviso de movimento no ângulo morto do espelho retrovisor lateral), Lane Departure Warning  (aviso de saída da faixa de rodagem), Driver Alert (sistema de alerta de cansaço do condutor), são uma verdadeira ajuda ao condutor e podem activar-se precisamente na consola central.

Em muitas situações de condução, quer em cidade quer em estrada, qualquer destes sistemas apresenta vantagens na sua utilização e não apenas quando passamos algumas horas ao volante, pois na rotina diária alguns deles chegam mesmo a precaver-nos de situações potencialmente perigosas. Para quem é de facto muito distraído ao volante a Volvo dá uma grande ajuda com este Pack Driver Support.

Ao no domínio do interior, uma nota para o espaço de bagageira que ronda os 430 litros, um pouco abaixo daquilo que o segmento oferece na sua generalidade. Um fundo falso ainda nos permite colocar obter mais pequenos na mala, mas um aspecto a rever é o da chapeleira que por sinal é pouco prática de usar.

Se nos aspectos mais práticos e visíveis o V60 está aprovado, a avaliação da componente mecânica, que influência a dinâmica deste carro, também merece elogios.

No motor a V60 dispõe da recente unidade de 5 cilindros com 2.0 litros de capacidade, 163 cv de potência e não menos importante 400 Nm de binário, que são a principal alma deste motor.

Um arranque mais vigoroso deixa qualquer interessado por automóveis entusiasmado tal a sonoridade típica que sai deste 5 cilindros, mais parecendo um desportivo puro. Felizmente que nas rotações intermédias, até às 3.000 rpm, este motor quase não se ouve no habitáculo proporcionando o necessário conforto acústico a bordo.

Curiosamente é nos médios (2.000 rpm) e altos regimes (3.500 rpm) que este motor se dá bem, podendo proporcionar sempre que necessário acelerações rápidas, o que se traduz, por exemplo, em ultrapassagens mais seguras. Nos baixos regimes o motor parece que cai num “poço”, o que num constante “pára arranca” exige habituação do condutor.

Com pneus de grandes dimensões o conforto de rolamento do V60 ressente-se no mau piso das nossas estradas, mas regra geral não existem grandes problemas de falta de motricidade, excepção feita ás tais acelerações mais vigorosas que levam o controlo de tracção a actuar bem cedo.

Um dos destaque do comporto dinâmico é a agilidade do chassis. Curiosamente, a afinação da suspensão, que foi escolhida para este carro muito contribuiu para tal pois não deixa a V60 adornar em demasia, mas também não é demasiada seca nas suas reacções. Contudo, em aceleração e em curva existe sempre alguma tendência para a V60 alargar as trajectórias, mesmo se a direcção é muito directa e precisa, dando sempre excelentes informações ao condutor.

Os travões são eficazes, mas após alguns quilómetros de solicitação intensiva começam a aquecer mais do que era previsível, mas mesmo assim nunca perderam a sua eficácia.

Quantos aos custos de utilização, a V60 com o seu 5 cilindros não é o mais económico 2.0 litros do seu segmento. Digamos que conseguir valores a baixo de 7 litros aos 100 Km/h não é difícil mas não é a regra. Teremos que esperar por outras versões, nomeadamente as Drive, que por norma conseguem valores de consumo mais baixos.

A Volvo V60 D3 acaba assim por ser uma boa opção, não só pelo status que proporciona mas também por alguma diferenciação no segmento em que concorre.

 

(Visited 214 times, 1 visits today)

Deixe o seu comentário