EMEL arranca com o bike sharing em Lisboa

Um sistema público de aluguer e partilha de bicicletas eléctricas já está em fase de testes em Lisboa.

A fase piloto arrancou com 10 estações e cerca de uma centenas de 100 bicicletas no Parque das Nações.

A EMEL, empresa municipal que gere a mobilidade na capital, é a responsável pela implementação desta solução, que tem um custo anunciado de 23 milhões de euros.

Esse valor, apurado após concurso público adjudicado à empresa portuguesa Órbita, inclui não apenas 1.410 bicicletas (940 elétricas e 470 não elétricas), como as infraestruturas de carregamento (140 estações), e ainda a limpeza e manutenção de bicicletas e do equipamento, ao longo de um período de 8 anos.

A rede vem fornecer uma nova forma de mobilidade a quem se desloca em Lisboa e complementar a oferta de transportes públicos e de outros operadores de partilha de bicicleta, mota ou automóvel.

O aluguer pode ser diário, mensal ou anual.

Uma aplicação móvel – intitulada Lisboa Bike Sharing – permitirá utilizar a rede.

O passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário dez euros.

Outra fonte de rendimento pode vir a ser publicitária, podendo custar 350 euros por bicicleta.

A localização inicial dos postos concentrar-se-à no centro da cidade e junto ao rio e ainda em redor dos principais interfaces de transportes: Campo Grande, Entrecampos, Sete Rios, Alameda, Saldanha e Roma-Areeiro.

O plano prevê que as 140 estações venham a ficar assim distribuídas: 92 no planalto central da cidade, 27 na Baixa e frente ribeirinha, 15 no Parque das Nações e 6 no eixo entre as avenidas Fontes Pereira de Melo e da Liberdade.