Ensaio: Volvo V90 D5 AWD

É possível fazer frente à oferta que existe nos construtores alemães para carrinhas do segmento superior? A resposta a esta questão pode estar na V90, um dos primeiros modelos da nova vida da Volvo e que eleva ainda mais os padrões de qualidade a que a marca já nos habituou.

A V90 mostra como neste segmento o importante é a qualidade e os revestimentos consistentes a
toque são apenas uma das provas disso. A insonorização, os materiais, a escolha do local onde estão os
botões e outros dispositivos de controle dos vários sistemas do carro são apenas outros dos exemplos.

Este é um dos maiores modelos da marca, com quase cinco metros e um peso de 2.400 quilos.

O espaço interior reconhece estas quotas, tanto na habitabilidade de todos os ocupantes como na bagageira.

O desafo destes números coloca-se à motorização escolhida e à própria plataforma.

No primeiro, testámos a versão D5 com tração integral, um bloco com quatro cilindros e 1.969 cc de cilindrada.

A potência máxima conseguida é de 235 cv e o binário é de 480 Nm. A transmissão era uma Geartronic de oito velocidades.

O motor funciona sem qualquer imprecisão, com uma evolução de potência bastante interessante.

A caixa nem sempre acompanha a vontade do motor, ficando por vezes perdida nas opções que deve tomar e, nalgumas situações, com uma passagem por vezes demorada.

Quanto ao comportamento dinâmico, garantido pela nova plataforma SPA, a partir da qual nasce também o 60, pouco há a dizer além de que aguenta bem as forças torsionais a que os cinco metros de comprimento são sujeitos.

Colocando de parte a transmissão e alguns bugs eletrónicos que precisam de ser afinados, a V90 é uma opção completamente a par do que existe no segmento.

Se o esforço que a Volvo tem vindo a fazer para se colocar no segmento premium a par da sua concorrência alemã, o melhor exemplo para o mostrar é esta V90.

Impressões

Confessamos: a versão testada pela FLEET MAGAZINE não é a mais adequada às empresas.

Desde o Business Connect Premium Sound com um custo de quase quatro mil euros, a opcionais que ascendem a mais de seis mil euros, como o teto de vidro elétrico ou jantes de 20” com pneus de baixo perfil, a V90 conduzida tinha tudo.

E, como sempre, neste segmento a questão surge: é realmente necessário todo este equipamento? É.

Para uma viatura deste nível, vale a pena experimentar todo o conforto que a marca pode dar.

O tablet para controlo dos dispositivos da V90 é um dos mais bem desenhados do mercado.

É fácil aceder aos conteúdos que se pretendem e a leitura e controlo dessa mesma informação é fácil de fazer.

Preço:

72.558 Euros*

Rendas:

1112,26 €/mês (36m)*
1090,31€/mês (48m)*

Consumos e emissões:

4,9 l / 100Km

129 g CO2/km*

Características motor:

4 / 1.969 cc

235 cv / 4000 rpm

480 Nm/ 1750 rpm

(*) Valores LEASEPLAN. Quilometragem anual contratada: 30.000 – Serviços incluídos: aluguer/iuc/ seguro (franquia 4%)/manutenção/ gestão de frota/ pneus ilimitados/ veículo de substituição – quilometragem técnica máxima: 200.000 kms