Na primeira metade de 2016 renting cresceu em Portugal com contributo de PME e particulares

O renting está a crescer apoiado pelo interesse que está a despertar entre os clientes particulares e pelo aumento do interesse por parte das pequenas empresas e de empresários em nome individuais.

ALD, Leaseplan e VWFS falam sobre como correu o primeiro semestre de 2017

Os dados compilados pela ALF, Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting, confirmam o aumento da penetração do renting.

Na primeira metade do ano, os 6,9% de crescimento da atividade saldaram em cerca de 16.700 novos contratos.

As três gestoras de frota que responderam ao inquérito enviado pela Fleet Magazine confirmam também esta tendência.

O crescimento mais expressivo é da mais recente a operar no mercado português, a Volkswagen Financial Services (VWFS), que aponta para um incremento de 46% no período homólogo, com cerca de 1.800 novos contratos de renting de ligeiros e camiões e autocarros.

A ALD Automotive está em linha com o desenvolvimento do mercado, ao anunciar um crescimento médio anual de 7%, “com uma frota que supera as 16.200 viaturas”, refere Patrícia Sanchez, diretora de comunicação e marketing da gestora.

Juntamente com a Leaseplan, as duas restantes empresas admitem grandes expetativas quanto aos resultados no final do ano. Mais uma vez, com grande responsabilidade das PME e ENI:

“Ao nível das PME/ENI, o número de novos contratos continua a acelerar. Aliás, verificámos um crescimento de carteiras de 63% nos primeiros seis meses do ano”, esclarece Nelson Lopes, o novo Head of Fleet da VWFS, que tem a expetativa de poder ver a carteira de clientes crescer cerca de 40%s face a Dezembro de 2016.

“Vemos muitas oportunidades no mercado com a aquisição de negócios estratégicos e com a dinâmica das PME”, reconhece também Pedro Pessoa da Leaseplan.

Mais indefinido para qualquer destas três gestoras é a influência que as novas regras de apuramento de emissões automóveis (WLTP) podem vir ter sobre a fiscalidade automóvel e as consequências que daí poderão advir, não apenas para o desempenho da atividade, como para a escolha dos modelos de aquisição.

Até por razões de Tributação Autónoma.

Gamas mais procuradas

Não há grandes novidades no que toca aos modelos que recolhem maior número de contratos este ano.

A gama Clio (5 lugares e carrinha) lidera destacada a procura entre as versões de passageiros e a versão de 2 lugares é também a que mais tem entrado nas empresas este ano.

Contudo, os comerciais mais procurados pelo cliente profissional são o Citroen Berlingo, o Peugeot Partner e o Renault Kangoo Express.

Já no que toca aos modelos de passageiros, além da gama Clio e do sempre bem aceite Nissan Qashqai, as gamas Opel Astra, Peugeot 308, Renault Mégane e Volkswagen Golf (não necessariamente por esta ordem) são as mais procuradas.