Opinião: Telecomunicações para veículos em andamento

Por António Duarte

António Duarte é Presidente da Teldat Portugal

O mercado de equipamentos de telecomunicações para veículos tem acompanhado as últimas evoluções tecnológicas, não existindo aliás diferenças entre as mais sofisticadas soluções de transmissão 4G e WI-FI em edifícios e as soluções disponíveis para veículos em movimento.

Alguns dos principais fabricantes, disponibilizam equipamentos especialmente concebidos para resistir às vibrações, às poeiras e também às grandes amplitudes térmicas a que estão sujeitas as soluções de mobilidade rodoviária e ferroviária, permitindo soluções de alto desempenho e grande fiabilidade.

Equipamentos especialmente desenhados, sujeitos a intensivos testes antichoque e anti vibração, conseguem atingir elevadas velocidades de transmissão, centenas de Mbps em tráfego clear e cerca de 100 Mbps em tráfego encriptado, com baixos custos de operação e manutenção.

Os novos equipamentos de routing SD-WAN podem atuar até ao nível aplicacional (layer 7), otimizando a banda disponível, aplicando políticas de segurança, agregar e/ou balancear tráfego, tanto em soluções com um único fornecedor de telecomunicações, como em soluções multi-operador.

Múltiplas ligações LTE e WI-FI num único equipamento permitem disponibilizar diferentes redes, por exemplo, redes públicas para os passageiros e redes privadas para os serviços do veículo.

Os novos equipamentos podem, com um único fornecedor de telecomunicações ou com vários, disponibilizar diferentes ligações LTE e WI-FI num só equipamento

Alguns equipamentos podem inclusivamente disponibilizar um servidor de voz SIP e um Gateway GSM.
Com as questões de segurança cada vez mais presentes, as soluções que incluem Wi-FI podem transmitir vídeo em tempo real nas situações de emergência.

O GPS integrado de última geração permite que o router se comporte como servidor ou como colector de informação, dependendo da localização geográfica do veículo.

O GPS também permite a utilização de perímetros virtuais (geofencing).

Ao contrário dos routers preparados para ligação numa vulgar tomada de corrente em edifícios, os equipamentos utilizados em transportes devem poder utilizar uma alimentação eléctrica de 12V, 24V, 48V ou 70V, preferencialmente dotados de uma proteção especial que permita um pequeno atraso na fase de corte da alimentação (power-off delay).

As empresas e entidades com necessidades de dispor de ambientes informáticos multisserviço, multioperador, com múltiplas redes locais e alargadas, com protocolos avançados de routing (ACL’s, Firewall, 802.1X, IPSEC, DMVPN, etc.)

Em veículos móveis, têm hoje uma resposta equivalente às soluções 4G e Wi-Fi em ambientes estáticos (edifícios).

Ferramentas avançadas de gestão permitem fazer o despiste de problemas e avarias, mesmo em condições de utilização difíceis, ou que à partida não reúnam um conhecimento exaustivo das condições de utilização.

Em suma, hoje em dia as empresas de transportes de mercadorias e passageiros, os veículos de emergência médica, os veículos das forças de segurança e bombeiros, assim como alguns locais exteriores, com ambientes muito exigentes em termos de poeiras e grandes amplitudes térmicas, podem tirar partido das novas redes inteligentes e integrar directamente os seus veículos na rede, com toda a versatilidade e facilidade associados aos novos paradigmas.

No mercado, existem soluções especializadas para transportes rodoviários e ferroviários, incluindo alta velocidade, com funções avançadas de GPS e as mais sofisticadas caraterísticas empresariais, resistentes a vibrações e poeiras, capazes de operar em condições de temperatura elevadas.

O mercado das telecomunicações já se encontra num estado de desenvolvimento bastante avançado, sendo por isso de aproveitar as mais-valias e benefícios oferecidos por estas novas ferramentas que, sem dúvida alguma, ajudam as empresas a ser mais competitivas, eficientes e seguras face a um ambiente cada vez mais desafiante.

(Visited 90 times, 1 visits today)