Maio 2018: comércio automóvel abranda em Portugal mas continua acima da média europeia

423

O comércio de carros novos deu sinais de abrandamento em maio, mas o crescimento forte dos meses anteriores contribuiu para que as vendas em Portugal se mantenham acima da média europeia.

Em concreto, no passado mês matricularam-se em Portugal 27.117 viaturas ligeiras, um pouco acima (1,3%) do valor obtido em maio de 2017.

Mesmo assim, os números totais desde o início do ano mantêm-se elevados, com os 123.428 novos registos a traduzirem um crescimento de 5,3% face a 2017.

É de esperar que este sinal de vitalidade aparente do mercado possa acentuar-se até Agosto, antecipando uma subida de preço dos carros novos a partir de 1 de Setembro.

Razões para isso são a entrada em vigor de metas mais apertadas no controlo de emissões automóveis, que vão obrigar os construtores a instalar mais equipamento de redução de gases, bem como o facto de passar a vigorar um novo regime de aferição de emissões, o ciclo WLTP.

Porque esta nova metodologia de testes para apuramento de consumos e níveis de emissões automóveis deve resultar na homologação de consumos mais elevados (logo, também de CO2), isso deverá dar origem à subida da fatia fiscal (ISV), uma componente importante do preço final da viatura.

Daí que algumas marcas estejam a efectuar matriculas sem comprador para as viaturas, esperando vir a vendê-las na parte final do ano, sem grandes perdas, como carros de ocasião ou seminovos.

Olhando com mais pormenor para os valores dos registos de maio, constata-se, desde logo, uma forte subida de comerciais (13,5%), com totais mensais que são os mais elevados deste ano.

Este indício é bastante positivo do ponto de vista económico, já que pode representar um sinal de confiança por parte das empresas.

Na frente da tabela de vendas de ligeiros não há grandes novidades: a Renault lidera tanto em versões de passageiros como de comerciais, ampliando a sua quota de mercado.

Seguem-se a Peugeot , Citroën, Fiat e Mercedes-Benz, com as marcas francesas e italianas a demonstrarem grande vitalidade.

Em contraste com os números no resto da Europa, a Volkswagen continua a perder terreno em Portugal, sendo já a 8.ª da tabela, com quase menos 25% do acumulado homólogo de 2017.

Das quatro principais marcas do grupo alemão, a SEAT é a única a apresentar valores positivos.

Nissan, Toyota, Kia e Hyundai estão igualmente a crescer desde o início de 2018, com quase todas as marcas asiáticas no verde.

A mais positiva em termos percentuais é a Honda, com quase mais 69% no acumulado do ano, valor que se justifica dados os fracos resultados de 2017 e com a apresentação de novos modelos este ano.

Esta é a tabela de matriculas de veículos em Portugal em maio de 2018