A indústria portuguesa de componentes para automóvel cresceu 5,6% em 2014, atingindo os 7.500 milhões de euros e exportando 83% da sua produção.

Os dados revelados pela AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel – indicam que os principais mercados continuam a ser a Espanha e a Alemanha, seguidos de perto pela França e Inglaterra.

O conjunto destes quatro países representam 70% do total das exportações, com os restantes 30% da produção distribuídos por outros países europeus, Estados Unidos e China.

Segundo a AFIA, a constância do destino das exportações mostra uma fidelização na relação cliente-fornecedor, algo fundamental para o contínuo crescimento da atividade do setor. Um fator que se torna ainda mais relevante se tivermos em conta que as empresas estão a competir num mercado global, caracterizado por uma capacidade produtiva superior à procura, reforça o comunicado da associação.

O resultado reflete um crescimento sustentado e que vem sendo demonstrado ao longo do tempo pelo histórico do setor. “É indubitável a relevante contribuição que dão para o crescimento económico de Portugal, projetando, ao mesmo tempo, uma imagem de credibilidade da indústria de componentes automóveis em Portugal”, reforça Tomás Moreira, presidente da AFIA.