O segmento onde se insere o Passat pode não ser aquele onde há mais volume para frotas, mas certamente é o mais ambicioso quanto à procura.

Pretende-se tudo: preço, conforto, espaço e motorizações. Daí que a oferta disponível tenha a particularidade de ter dois segmentos, o normal e o premium.

O posicionamento das marcas tem sido claro. Conhece-se bem quais são os modelos premium e quais são os de entrada no segmento. Contudo, dois factores têm vindo a baralhar os dados todos e a homogeneizar este grupo.

Com um nível de qualidade totalmente avassalador, o novo Passat vem bater-se pelo seu lugar no segmento de executivos. Se o consegue? Sim, e de que maneira.

Como sempre, tem a ver com a conquista de share por cada um dos lados. Por um lado, as marcas premium querem fazer volume ter uma presença mais avassaladora junto destes clientes. Nas propostas de aluguer operacional, onde o valor residual é uma componente que permite diminuir a importância do preço de aquisição, os modelos premium começaram a conseguir praticar rendas em linha do que era a restante oferta do segmento, conseguindo conquistar assim alguns clientes às marcas generalistas. Por outro lado, as marcas generalistas querem acrescentar valor às suas propostas e fazem com que as suas linhas deste segmento estejam cada vez mais próximas do segmento premium. Já não se trata apenas do nível de equipamento, mas mais da qualidade de construção e do volume disponível. E claro, da potência conseguida nas motorizações.

Volkswagen Passat Variant: mais 47 litros de capacidade

O novo VW Passat é um exemplo claro deste último caso. Colecionador de prémios (Carro do Ano internacional e nacional e a anterior geração com o Prémio Fleet Magazine para a Viatura do Ano), trata-se de uma clara ascenção para níveis de conforto, design de interiores e qualidade de construção ao nível do segmento premium.

O Passat foi todo renovado e traz novos argumentos a nível de design do anterior. Com um história que começa em 1973 e mais de 66 mil unidades vendidas só em Portugal, o desafio de fazer uma renovação completa era enorme.

No interior, as linhas contínuas pontuam, fazendo lembrar o conceito de um dos tais concorrentes premium. Aparece ainda o Active Info Display – a aposta em tecnologia – mas a maior surpresa vem da noção de espaço interior. O comprimento aumentou em 33 mm e a bagageira oferece mais 47 litros do que a versão anterior (na versão Variant, a conduzida pela FLEET MAGAZINE).

Volkswagen Passat Variant ensaioNo entanto, notamos alguma dificuldade em encontrar posição de condução – questão recorrente quando os níveis de ajustamento são muitos.

A versão que a FLEET MAGAZINE conduziu foi a de 2.0 litros com 150 cv, caixa automática DSG de seis velocidades. Quanto ao motor em si, novo, mostrou sempre uma resposta boa, ao qual a caixa vem acoplar bem. Há quem argumente que um modelo que se apresenta todo renovado deveria receber a nova caixa de sete velocidades do grupo, mas a verdade é que nunca se sentiu necessidade disso.

Um dos aspectos mais impressionantes é mesmo a prontidão e a resposta acertadíssima desta caixa. Mesmo nas situações onde estes conjuntos sentem mais dificuldades, como a pouca utilização de acelerador, a DSG de seis velocidades foi imaculada, fazendo esquecer por completo a confrontação com os equipamentos manuais.

Outro aspecto é a insonorização a bordo, claramente um dos aspectos mais bem conseguidos do novo Passat. De resto, em rolamento, o carro é confortável sem ser demasiado rígido. Nota ainda para os pneus nas dimensões 215/55/R17, que acrescentam conforto, sem comprometerem o comportamento.

Volkswagen Passat Variant ensaioOs consumos conseguidos pela FLEET MAGAZINE foram 6,4 l/100km em circuito misto.

O VW Passat consegue aquilo a que se propõe? Ser uma proposta de referência no seu segmento? Sim, e de facto, face à evolução que as outras marcas também têm tido, esta oitava geração veio mais uma vez mostrar como, nos executivos, o Passat tem sempre uma palavra a dizer.

Ficha Técnica

Preço: 41.263 euros*

Rendas:

36M: 701,8*

48M: 664,14*

Consumo: 4,0l/100Km

Emissões: 119 gCO2 gCO2/km*

Cilindrada: 4/1.968 cc

Potência: 150 cv 3.500-4.000 cv/rpm

Binário: 340/1.750-3.000 Nm/rpm

* Dados Leaseplan