Para apurar quanto vale uma solução 100% elétrica, não basta conhecer quanto custa percorrer 100 km. Mas é um bom começo.

Assim, após uma centena de quilómetros feitos maioritariamente em estrada e com uma parte do percurso num “pára-arranca” de tráfego intenso, o Zoe 240 gastou 13 kwh. Assumindo um preço médio de 0,15 euros por kw (dependendo do operador), custou menos de 2 euros. Pouco mais do que o preço de 1,0 litro de gasolina, inferior a 2,0 litros de gasóleo.

LER: Renault ZOE com 240 km de autonomia

Sendo 100% elétrico o Zoe é caro? Com os incentivos fiscais pouco mais do que um Clio 1.5 dCi, embora tenha que se somar o aluguer mensal das baterias: no mínimo 79 euros. E mais 600 euros por um equipamento que permite carregá-las a partir de uma convencional tomada doméstica.

Em contrapartida, tem custos de manutenção menos elevados e, diz a Renault, o preço da revisão aos 30 mil km, é inferior a 30 euros.

A notícia é um novo motor com melhor rendimento; logo com gastos menores de energia, o que faz aumentar a autonomia do modelo. Mas 240 km talvez sejam só possíveis em condições ideais de teste, sendo mais realista contar com um máximo de 160/170 km, conforme o tipo de condução e as condições do percurso.

Quanto ao resto, o Renault ZOE é um carro igual aos outros. Aliás, a ideia do construtor francês foi precisamente essa: aproximar o mais possível a sua condução à de um modelo convencional com caixa automática e garantir um habitáculo espaçoso para um veículo citadino.

Preço:

33.388 Euros*

Rendas:
834,32 €/mês (36m)*
751,19 €/mês (48m)*

Consumos e emissões:
133 (Wh/km) (consumo normalizado)
0 gCO2/km

Características motor:

Motor síncrono de rotor bobinado
88/3.000 a 11.300 cv/rpm
220 / 250 a 2.500 Nm/rpm

(*) Fonte Leaseplan