Pela primeira vez a Hyundai ultrapassou o meio milhão de matrículas na Europa: 505.396 unidades, um crescimento de 7,5% face a 2015.

Em Portugal, a taxa de crescimento da Hyundai foi ainda mais expressiva – 67,4% face ao ano anterior – embora as 2.651 unidades lhe permitam reivindicar apenas a maior taxa de crescimento entre as 20 marcas automóveis mais vendidas no País.

Parte desse crescimento foi sustentado no trabalho feito de adequação da rede mas também a um posicionamento comercial mais agressivo, incluindo algumas campanhas comerciais dirigidas a profissionais.

A Hyundai, como outras construtoras automóveis presentes em Portugal, sabe que o crescimento da sua quota de vendas tem de passar pelas empresas. Não apenas por uma oferta ajustada ao desejo de este tipo de cliente, mas também às gestoras, e que essa oferta deve incluir também versões comerciais.

E se essa é uma das apostas da Hyundai para 2017 – ampliar as vendas de comerciais com uma maior divulgação e trabalho da rede sobre os modelos i20 Van, H1 e H350 – a outra, nos passageiros, vai passar sobretudo pela nova geração i30 (prestes a chegar) e pelos IONIQ Hybrid plug-in (no terceiro trimestre) e IONIQ EV (elétrico) que, por motivos fiscais, poderão despertar o interesse das empresas.

Gama de comerciais da Hyundai em Portugal

No que se refere às versões de cariz vincadamente profissional, a Hyundai garante uma versão Van de 5 portas do compacto i20, a partir de 20.607 euros.

Transformado em Portugal, além de alguns (limitados) benefícios fiscais, o pequeno Hyundai i20 Van anuncia como vantagens planos de manutenção alargados (2 anos/30 mil kms) e, principalmente, uma garantia de 5 anos sem limite de quilómetros.

Com grande poder de manobra, grande qualidade de construção, 587 litros de espaço de mala até à chapeleira e muito equipamento de série, o i20 Van vem equipado com motor diesel de 1,1 litros com 75 cv.

O regresso em força da Hyundai H1 e a verdadeira novidade – a H350 – são também grandes apostas do importador da marca coreana para Portugal.

A H1 (também conhecida como Starex em alguns mercados) é disponibilizada em 2 versões de 3 e 6 lugares, a partir de cerca de 31 mil euros para a primeira e 33.300 euros para a de passageiros.

É um dos modelos com maior historial no mercado português e o seu grande ativo é precisamente o parque circulante que ainda existe e que deve ser aproveitado pela equipa de vendas.

A atual geração traz vantagens inquestionáveis, desde a versátil capacidade de carga e funcionalidade da cabine, à dotação de equipamento de série e ainda o motor Euro6 de 2,5 litros, que dispensa o ADBlue para cumprir o Euro6, potente (136 cv) e com bastante binário (343 Nm entre 1.500 e as 2.250 rpm).

Este mesmo motor é responsável pelo bom comportamento estradista da H1 e, seguramente, também pela longevidade, uma vez que a mecânica deverá estar sujeita a menores taxas de esforço do que unidades de cilindradas mais reduzidas.

Contudo, também por taxas de emissões CO2 elevadas: mínimo 199 g/km, máximo de 231 g/km, para consumos que oscilam entre os 7,5 e os 8,9 litros consoante as versões.

Sendo a capacidade de carga uma das vantagens – 959 a 1.094 kg e até 5m3 (cerca de 3,5 m3 na versão de 6 lugares) – as outras são as duas portas laterais de correr que permitem acesso a europaletes, a capacidade de manobra, o preço competitivo e ainda a garantia de 3 anos sem limite de quilómetros ou, em opção, 5 anos/200 mil quilómetros.

Nunca a Hyundai teve em Portugal um carro com estas características e, por isso, há pela frente um grande trabalho para impor a Hyundai H350.

Modelos furgão com esta capacidade têm ganho relevância com o crescimento da necessidade de transporte de cargas entre centros urbanos e de distribuição e aquilo que a Hyundai H350 precisamente oferece adequa-se perfeitamente a essas necessidades: boa capacidade de carga, bons acessos à plataforma de transporte (a 69 cm do solo) e uma condução confortável e muito facilitada pelo excelente poder de manobra da viatura, ampla visibilidade frontal e lateral (para a traseira há possibilidade de sensores e câmara de visão traseira englobada no retrovisor) e uma cabine bem insonorizada e bastante funcional.

A Hyundai H350 vai ser disponibilizada em duas distâncias entre eixos – 5,5 ou 6,2 metros –, versões furgão ou chassis cabine.

Preços a partir de 26.200 euros no primeiro caso e de 25 mil euros para o modelo destinado a diferentes tipologias de caixa de carga.

O mesmo motor de 2,5 litros com caixa manual de 6 velocidades entrega 150 ou 170 cv (para o motor mais potente acresce, em média, cerca de 800 euros) com necessidade de AdBlue para controlo de emissões.

Os consumos médios anunciados variam entre os 8,2 e os 8,6 litros, enquanto as emissões CO2 oscilam entre os 214 e os 231 g/km.

Em termos de capacidade de carga, as versões furgão anunciam volumetrias de 10,5 e 12,9 m3, respectivamente, com a versão mais longa a poder transportar até 5 europaletes (4 na versão mais curta)  graças ao comprimento da plataforma.

Além da vantagem adicional de uma ampla porta lateral deslizante, a H350 mantém a garantia de 3 anos sem limite de quilómetros, com opção por 5 anos/200 mil kms ou extensões de quilometragem ilimitada.

Para as gestoras e frotas importa ainda o facto da Eurotax ter previsto a manutenção de bons valores residuais após 3 anos/90 mil kms – 36%, 2% acima da média da concorrência, afirma a Hyundai -, da manutenção programada ser de 2 anos/30 mil kms e da compra incluir viatura de substituição igual, durante 5 anos e até 5 dias/ano, em caso de avaria.