ENSAIO: Peugeot 3008 GT Line 1.5 BLUEHDI 130 CV

430

O novo Peugeot 3008 rompe completamente com a geração anterior: tem um aspecto mais dinâmico, mais moderno e mais aventureiro, sem por isso perder algumas características tão apreciadas nos monovolumes.

Uma delas é a habitabilidade.

A outra, a facilidade de poder modelar o espaço interior.

E, claro, o conforto, sobretudo em viagem mais longas, algo que neste aspeto está garantido por uma posição de condução fantástica e por uns bancos, cujos assentos dianteiros podem proporcionar vários tipos de massagem, dependendo do nível de equipamento.

Apesar da aparência mais musculada e da altura ao solo (a dimensão dos pneus contribui  para isso), esta segunda geração do 3008 continua a ser um carro familiar.

Ou seja, com limitadas capacidades fora do alcatrão.

Não sendo esse tipo de incursões o seu ambiente natural, a nova plataforma modular, que arrumou melhor os elementos mecânicos e que permite dotá-lo com facilidade de todos os elementos de segurança e ajudas à condução que existem, assegura-lhe contudo uma estabilidade extraordinária perante diversos tipos de piso.

E até diferentes estilos de condução.

Tecnologia personalizável

Com este novo motor 1.5 BlueHDi estreado no Peugeot 308, mais potente e eficiente do que a anterior unidade 1.6 HDi, o silêncio é a nota dominante.

Mas quem não apreciar tamanha tranquilidade, pode contar com um excelente sistema de som e diversas funcionalidades de conectividade e  entretenimento, controláveis a partir de um ecrã central táctil. Contudo, algumas funções  estão comodamente arrumadas e acessíveis a partir de um conjunto de “teclas de piano” ou através de comando de voz.

Outra novidade tecnológica que acompanha o conceito do “i-cockpit” da Peugeot é o painel
de instrumentos digital atrás do volante de pequenas dimensões, capaz de se configurar para diversas projeções, sendo portanto personalizável à vontade de cada condutor.

Incluindo a possibilidade bastante útil e muito segura de colocar as indicações do sistema de navegação na linha do olhar de quem conduz o novo 3008.

Um interior até 2,7 metros!

Em matéria de estilo e conforto, conte-se com a possibilidade de um tejadilho panorâmico iluminado no tom das luzes de conveniência do habitáculo e com a muito prática abertura automática do portão traseiro à passagem do pé sob o pára-choques.

Maior do que deixa adivinhar (com excepção da altura, a segunda geração cresceu em todas as direcções), o 3008 assegura espaço interior suficiente para satisfazer necessidades familiares.

Desde logo, a capacidade da mala, 520 litros facilmente ampliáveis com o rebatimento do encosto traseiros.

Esta acção vai libertar um espaço que pode ir até 1,90 metros mas, se isso não chegar, o rebatimento do encosto do banco do  pendura, permite transportar objectos mais longos, até cerca de 2,70 metros!

Impressões

O novo motor a gasóleo 1.5 BlueHDi já com valores WLTP homologados – a Peugeot foi dos primeiros construtores a anunciar que toda a gama se encontrava preparada para este   desafio mais exigente – foi equipado com complexos sistemas de retenção e tratamento dos gases, com recurso ao AdBlue.

Em matéria de condução não há qualquer diferença a registar quando comparado com o anterior 1.6 HDi. Nem sequer em matéria de desempenho.

Apesar de ser mais pequena, esta nova unidade é mais potente e possui mais binário, gerido, no caso do carro ensaiado, por uma caixa manual de seis velocidades convenientemente escalonada para tirar partido do potencial mecânico.

Com uma enorme vantagem: é que apesar de ser um carro com condições para um desempenho acima da média quando lhe é exigida uma atitude mais dinâmica, o Peugeot 3008 1.5 BlueHDi chegou ao final de um longo ensaio de mais de 1000 quilómetros com uma média de consumo inferior a 6 litros.

Outra vantagem clara do 3008 é não precisar de qualquer excepção à lei para poder ser considerado sempre Classe 1” nas portagens nacionais.

O 3008 e as empresas

Os preços da segunda geração não conseguem ser tão competitivos quanto os da primeira,  mas a melhoria dos valores residuais e os custos de utilização continuam a permitir rendas competitivas.

Apesar de todos os esforços, o 1.º escalão da TA é ultrapassado para esta versão a gasóleo, pelo que não é de colocar de lado a opção 1.2 Puretech a gasolina, se o número de quilómetros previsto o justificar.

A versão“Allure” já contém um lote interessante de equipamento, mas, mais completa e claramente com maior efeito visual, é a “GT Line”.

Ficha de Produto: Preço, rendas, consumo e motor

  • Preço:

39.255 Euros*

  • Rendas:

689,54 €/mês (36m)*

647,66 €/mês (48m)*

  • Consumo médio e emissões:

4,2 l / 100Km / 109 gCO2/km*

  • Dados do Motor:

4 / 1.499 cc

130 / 3.750 cv/rpm

300 / 1.750 Nm/rpm

(*) Valores LEASEPLAN. Quilometragem anual contratada: 30.000 – Serviços incluídos: aluguer/iuc/ seguro (franquia 4%)/manutenção/ gestão de frota/ pneus ilimitados/ veículo de substituição – quilometragem técnica máxima: 200.000 kms