EASYGEST: quando a gasolina se justifica

757

Até há pouco tempo, quando se pensava em carro de empresa, era inevitável a primeira decisão recair sobre uma viatura com motor a gasóleo.

Mesmo quando muitas vezes o número de quilómetros não justifica essa decisão, a maior desvalorização de um carro com motor a gasolina e a possibilidade de deduzir 50% do IVA do gasóleo, por exemplo, eram (são) razões habitualmente apontadas para explicar a escolha de um veículo diesel.

No entanto, nenhuma destas razões se aplicou no momento em que a EasyGest decidiu reforçar a frota com mais 12 unidades em renting e João Costa, CEO da empresa, explica porquê:

“Peugeot e Locarent esforçaram-se para assegurar excelentes valores para este negócio de doze Peugeot 208 1.2 Puretech. Os nossos comerciais vão fazer uso geralmente para viagens curtas ao longo do dia e os carros a gasolina são, por experiência, os mais indicados para esse tipo de utilização.”

Por outro lado, acrescenta João Costa, a dedução do IVA do gasóleo também não se coloca, uma vez que, derivado das condições de atividade da empresa, o combustível é usualmente da responsabilidade do utilizador do veículo.

A frota é gerida conjuntamente por João Costa, CEO da empresa e Renato Marcelino, responsável pelo departamento de compras da EasyGest

Carros são “outdoors” com rodas

No mercado desde 2010, com 45 lojas próprias e mais de 400 colaboradores, esta empresa de mediação imobiliária conta com uma frota própria de mais de três dezenas de viaturas ligeiras a operar de norte a sul do país.

A celebração do oitavo aniversário foi acompanhada pela entrega de mais 12 viaturas a gasolina decoradas pela Bact3ria. A Fleet Magazine aproveitou a festa que decorreu nas recém inauguradas nova sede e novas instalações da EasyGest Seixal para ficar a conhecer todo o parque automóvel da empresa e as suas necessidades de frota.

Uma das quais é “manter a frota atualizada e apostar em viaturas mais económicas e ecológicas”, como revela João Costa.

Por isso, já há também três viaturas híbridas em parque, que foram adquiridas aproveitando os incentivos fiscais em vigor. Uma experiência que o CEO da EasyGest considera “razoável”, já que “o custo de aquisição versus a poupança (inexistente) de combustível não está a corresponder às expectativas”.

“A frota tem aumentado razoavelmente com a expansão e o sucesso do negócio”, explica João Costa. É que, “além de um veículo de trabalho, a atribuição de uma viatura é também uma maneira de premiar a equipa por resultados”.

PME Líder, com lojas espalhadas pelo Algarve, Alentejo, áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, centro e norte de Portugal, a direção da EasyGest preocupa-se em manter critérios de uniformidade na seleção das viaturas.

“A frota é gerida regionalmente, mas, ao nível de gestão de compras, o departamento central dá sempre o aval à aquisição. Tentamos manter sempre o mesmo segmento de viaturas, independentemente da área onde estão inseridas”, explica, neste âmbito, Renato Marcelino, o responsável pelas compras do grupo, adiantando que, no caso dos modelos comerciais com aquisição própria, são estabelecidos acordos locais para a assistência dessas viaturas.

Existe ainda uma política de responsabilização do uso do carro e cada um dos novos Peugeot 208 1.2 Puretech que foram entregues continha no interior o manual de recondicionamento elaborado pela gestora e o contrato dos carros de renting inclui seguro nesse âmbito.

Derivado da atividade, outro critério a que é dada bastante importância é a decoração dos carros e, com exceção de alguns ao serviço da direção/coordenação da empresa, praticamente toda a restante frota está decorada.

“É uma forma eficaz e barata de levar a marca até às pessoas. Consideramos as viaturas outdoors com rodas”, justifica o CEO da EasyGest.

B.I. da Frota:

  • Dimensão da frota: cerca de 30 viaturas entre versões de passageiros e comerciais ligeiros;
  • Modelos predominantes: Renault Clio e Peugeot 208, versões 1.2 Puretech a gasolina;
  • Idade média por classe de veículo: 1 a 2 anos no que se refere aos modelos de passageiros, 5 a 7 anos para as versões comerciais;
  • Financiamento: aquisição própria dos modelos comerciais. Para os carros de passageiros renting com manutenção incluída, de 24 a 48 meses, dependendo da utilização e/ou do seu utilizador. Seguro de recondicionamento.
  • Nenhuma exigência especial em matéria de equipamento. Decisão baseada em fatores de preço/qualidade;
  • Sistemas de georeferenciação e/ou de controlo/gestão da frota: instalado em alguns modelos, normalmente nos carros de passageiros;
  • Decoração: praticamente toda a frota, exceto carros de direção/coordenação.