Fiscalidade, WLTP, custos e soluções cativam participantes da 7.ª Conferência Gestão de Frotas

488

Cerca de 350 participantes e mais de duas dezenas de expositores fizeram parte do maior e mais importante evento para frotas, organizado todos os anos pela Fleet Magazine.

A zona de exposições do Centro de Congressos do Estoril foi totalmente preenchida por diversas marcas automóveis e variados fornecedores de serviços, desde gestoras de frota a prestadores nas áreas da mobilidade, tecnologia, manutenção ou comércio, relevando a importância que o sector das frotas tem para a dinâmica do mercado automóvel em Portugal.

Importância que Hélder Pedro, secretário-geral da ACAP, fez questão de frisar logo no arranque dos trabalhos da conferência, ao traçar uma panorâmica de todo o mercado e dos desafios que o comércio automóvel está a enfrentar por causa do WLTP e dos reflexos fiscais da entrada em vigor deste novo padrão de emissões.

A Fiscalidade haveria de ser, aliás, a nota dominante de toda a conferência, desde a apresentação sempre muito aguardada de Renato Carreira, da Delloite, à intervenção do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, já da parte da tarde.

O painel de Renato Carreira será seguramente recordado por dois aspetos que se interligam entre si na questão da Tributação Autónoma: a opção pela tributação da viatura na esfera pessoal do colaborador, com exemplos da aplicabilidade tanto em sede de IRS como de Segurança Social, mas, sobretudo, por relevar dois acordos do CAAD, Centro de Arbitragem Administrativa, que podem servir como jurisprudência para uma poupança muito significativa por parte de muitas empresas.

Matérias relacionadas com a Tributação Autónoma haveriam ainda de dominar o painel de discussão que se seguiu com a participação de Hélder Pedro e Renato Carreira, além de serem ainda abordadas outras questões relacionadas com a fiscalidade e com o comportamento do mercado automóvel esperado até ao final deste ano e para 2019.

A Conferência não se fez apenas no anfiteatro do Centro de Congressos do Estoril.

Ao longo do dia existiram diversas pausas para networking e para os expositores poderem ativar a sua presença, além, naturalmente, do momento de convívio gerado durante a hora de almoço.

Patrocinadores acrescentam importância à Conferência

Numa sequência bem encadeada de assuntos relacionados com as mudanças que estão a ocorrer ao nível da mobilidade, os painéis da responsabilidade de alguns dos patrocinadores da Conferência vieram acrescentar informação preciosa para os participantes da 7.ª Conferência Gestão de Frotas Expo & Meeting.

De forma divertida e interativa, João Gomes, da ALD Automotive, relacionou a evolução do automóvel à necessidade de controlo das emissões até à implementação do WLTP, decompondo as exigências dos testes e os reflexos de diversas variáveis sobre os valores finais. O final da apresentação seria utilizado para demonstrar o funcionamento de uma ferramenta digital que a gestora tem disponível online e que, a partir das necessidades expressas pelo utilizador, simula uma solução e propõe diversas ofertas concretas de modelos automóveis.

Antes da pausa para o almoço, coube a Dimitris Tripospitis, desde 1 de janeiro deste ano diretor do departamento de frotas, leasing e rede da Toyota Motor Europe, falar sobre as razões e as vantagens da aposta do construtor na eletrificação das marcas Toyota e Lexus.

Da parte da Europcar, seria Nuno Barjona, Head of Marketing & New Mobility da Europcar Portugal, a apresentar uma solução de mobilidade com grande interesse para empresas que vai estar em breve disponível em Portugal: a Ubeeco, que complementa a partilha de carros em ambiente profissional ou particular com outras soluções, incluindo o uso de transportes públicos.

As razões do aumento da presença de veículos elétricos nas frotas haveria de continuar com a intervenção de Ricardo Silva da Leaseplan. Traçando um panorama das necessidades de contenção de emissões com os reflexos que isso está a provocar sobre o sector automóvel, Ricardo Silva utilizou alguns estudos TCO para demonstrar o potencial da introdução da eletrificação em alguns dos principais segmentos de viaturas das empresas.

O painel dos patrocinadores terminaria com a apresentação da Brisa, a cargo de Luís Prazeres. Com o seu estilo inconfundível, o gestor da frota da empresa e também júri dos Prémios Fleet Magazine 2018 para as categorias “Viatura do Ano” e “Gestora de Frota”, utilizou o palco da Conferência para anunciar a realização de um curso Gestão de Frotas, Eficiência e Certificação Energética que vai decorrer em dezembro, em parceria com a ADENE.

Sinistralidade ou falta de Prevenção Rodoviária?

Não é a primeira vez que o assunto é discutido no âmbito da Conferência, mas o aumento do número de sinistros e de mortos por consequência de acidentes de viação justificou novo debate sobre o assunto.

Após a apresentação da norma ISO:39001 sobre Prevenção Rodoviária no âmbito das empresas, Isabel Seabra, presidente da Comissão Técnica de Acompanhamento responsável pela sua tradução para português e em representação da ANSR, juntar-se-ia a João Tiago Pereira da Top Driving Solutions, David Pinhol da Chronopost e Fernando Moreira, da ACT, para um debate sobre o estado atual da sinistralidade, dos seus efeitos e de alguma das suas causas dentro das organizações.

Desde logo ficaram expressas algumas dificuldades atuais de contratação que estão a fazer baixar o nível de exigência na contratação de motoristas para comerciais, o que vem reforçar a urgência da implementação de medidas de controlo e de ações de formação que ajudem a minorar os danos e os custos dos incidentes e acidentes rodoviários. Ficou ainda evidente a carência de uma legislação mais assertiva que permita um melhor controlo desses profissionais, seja em matéria de comportamento rodoviário mas também do uso feito aos veículos, assim como dos tempos de trabalho. Perante a ausência ou impossibilidade do uso de instrumentos que auxiliem todo esse controlo e ainda do risco que tal acarreta para a definição de responsabilidades, tanto da parte das empresas como dos utilizadores, torna-se evidente a necessidade da discussão deste assunto envolver o maior número de entidades, para encontrar soluções consensuais e eficazes que contribuam para a redução desta problemática.

Incluindo o próprio Estado que, como lembraria Isabel Seabra citando exemplos internacionais, deveria oferecer sistemas de incentivos que premiassem as organizações mais interventivas e com melhores resultados no âmbito da Prevenção Rodoviária.

Ajustamentos fiscais por causa do WLTP

Outra intervenção bastante aguardada era a de António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Este membro do governo veio explicar a decisão do governo de introduzir medidas de correcção destinadas a minorar os efeitos fiscais produzidos pelas novas regras para apuramento das emissões automóveis, ajustamentos que vão ser acompanhados por uma comissão criada para avaliar a aplicação dessas medidas e o comportamento do mercado.

Além disso, chegou mesmo a assumir, no período de perguntas e respostas, que o objectivo a longo prazo do legislador é de passar a tributação da viatura para a esfera do colaborador nos casos em que é claro que funciona como um complemento salarial.

Prémios Fleet Magazine

Este ano com um novo formato de atribuição e mais uma categoria, os Prémios Fleet Magazine foram apresentados por outra novidade introduzida na Conferência deste ano: a apresentação ficou a cargo de Carla Trafaria, uma figura da RTP bem conhecida dos portugueses.

As categorias dos Prémios Fleet Magazine, edição 2018, e os respetivos vencedores foram: