ENSAIO: Nissan e-NV200 Combi 40 KWH

108

A mesma bateria do Leaf é a principal novidade desta versão do comercial da Nissan que, por sua vez, tem como ponto de partida o Renault Trafic. Apresentado o modelo, vamos ao que interessa.

O Nissan NV200 é um comercial compacto; um comprimento pouco superior a 4,5 metros e a largura impedem-no de disponibilizar grande volumetria de carga mas, em contrapartida, conferem-lhe maior poder de manobra (diâmetro de viragem de 11,1 metros) e mais facilidade de condução.

E ainda menos peso e melhor aerodinâmica, duas condições essenciais quando se fala em carros 100% elétricos.

Em parte por causa disso é que a Nissan e-NV200, apesar de não conseguir apresentar naturalmente os mesmos valores de autonomia do Leaf, mesmo assim, com a mesma bateria, mais peso e maior resistência aerodinâmica, consegue superar os 200 km de percurso, em percurso combinado, com uma única carga.

Ou seja, mais do que a anterior versão.

Contudo, para isso acontecer há que respeitar duas premissas fundamentais: não levar muito peso e saber dosear o pedal do acelerador, poupando e recuperando energia sempre que possível.

No fundo, nada de novo quando se fala da condução de um carro elétrico.

A Combi de cinco

Com duas variantes possíveis no domínio dos comerciais (a gama acomoda ainda a versão Evalia, de sete lugares e até uma carroçaria equipada como Camper), a e-NV200 articula-se entre o furgão de três lugares, com capacidade de carga até 4,2m3, duas euro paletes e 742 kg de tara e a Combi, com lotação para cinco ocupantes e 1,9 m3 para a carga.

O que lhe dá capacidade suficiente para as necessidades de transporte de pessoal e de algum do equipamento necessário para a atividade.

Com vantagem do acesso à plataforma traseira ficar a pouco mais de meio metro do chão e de poder ser feito através de duas portas assimétricas ou de uma basculante, além de mais duas laterais que servem o banco traseiro.

Permanece o motor de 80 kW (109 cv), com binário anunciado de 254 Nm.

Com a velocidade máxima limitada eletronicamente nos 123 km/h, a autonomia WLTP é de 200 km, embora se possam percorrer mais uns quilómetros em cidade ou desde que reunidas as condições descritas no início do texto.

Já a bateria de 40kWh, igual à do Nissan Leaf, tem tempos e capacidade de carregamento algo lentos fora no sistema rápido: cerca de 40 minutos nesse caso mas, numa wallbox de 6,6 kHw, são precisas sete horas e meia e mais de 20 horas numa tomada doméstica de fraca potência.

A tecnologia elétrica presente nas versões base inclui indicadores frontais de consumo, autonomia, regeneração e tempos de carregamento. Dispõe ainda de um modelo de condução “ECO”, selecionável, para aumentar a eficiência e a capacidade de regenerar energia (ao utilizar o motor como travão), mas apenas com utilidade visível em condução urbana.

Em andamento moderado é possível manter médias de consumo em redor dos 15 kWh.

Apesar da ausência de ecrã táctil (só para o Evalia e versões mais bem equipadas da oferta comercial, a Nissan disponibiliza um sistema telemático que assegura a conexão remota do veículo através de computador ou smartphone.

Além de ser uma tecnologia útil de controlo de frota (localização, perfil de condução, monitorização da carga…), o sistema permite controlar a temperatura do habitáculo também remotamente.

Impressões

Não há grande oferta comercial na tipologia da e-NV200.

Com autonomia urbana que possa chegar aos 300 km não há mesmo nada igual no mercado, por enquanto.

O que dá realmente muita vantagem ao comercial da Nissan, sobretudo para as necessidades de operações extraurbanas.

Cinco lugares são outra vantagem da Combi, pela configuração, disposição e acesso aos bancos e, ainda assim, muito espaço para carga.

Mas a Nissan NV200 é um comercial e a e-NV200  não melhora essa condição.

Isso significa que não se esperem bancos idealizados para garantir conforto durante viagens mais longas, grande capacidade de insonorização ou uma suspensão pronta para amortecer cada irregularidade da estrada, até porque, atrás, não há suspensão independente.

Vantagens inegáveis são a altura interior do habitáculo e da caixa de carga (1,32 metros) e a possibilidade de transportar objetos até 2,8 metros, rebatendo o banco dianteiro direito.

Além de mais autonomia, claro, e dos cinco anos de garantia/100 mil quilómetros do veículo estenderem-se a oito anos/160 mil quilómetros no que diz respeito à capacidade da bateria.

No caso das empresas, sobretudo, os benefícios fiscais em vigor são uma atenuante importante para os custos da operação.

Ficha de Produto: Preço, rendas, dados de consumo e de motor

  • Preço: 

39.906 Euros*

  • Rendas:

835,22 €/mês (36m)*

758,29 €/mês (48m)*

  • Consumo médio e emissões:

0 gCO2/km*

  • Dados do Motor e da bateria:

109 / 1.000 cv/rpm

254 / 3.000 Nm/rpm

Motor elétrico AC síncrono (360V)

Bateria: 40 kWh (iões de lítio)

  • Autonomia combinada:

200 km e 301 km (WLTP)

(*) Valores LEASEPLAN. Quilometragem anual contratada: 30.000 – Serviços incluídos: aluguer/iuc/ seguro (franquia 4%)/manutenção/ gestão de frota/ pneus ilimitados/ veículo de substituição – quilometragem técnica máxima: 200.000 kms