Plataformas de TVDE: operadores queixam-se de atrasos no licenciamento de motoristas

889
UBER

Até 1 de março, todos os motoristas que queiram atuar legalmente na atividade de transporte público em veículo descaracterizado contratados através de uma plataforma digital (Kapten, ex-Chauffeur Privé, Uber ou Cabify, por exemplo) deverão estar devidamente licenciados pelo IMT.

Contudo, várias irregularidades detectadas em fiscalizações a cursos administrados por escolas de formação têm atrasado o processo de licenciamento por parte do Instituto da Mobilidade e dos Transportes.

Apesar de operadores, plataformas e motoristas trabalharem continuamente para assegurar a adaptação e a aplicação plena da lei, alerta a Kapten, estas contra-ordenações
têm determinado a recusa da licença de muitos motoristas que, vendo o seu licenciamento
inválido, são obrigados a efetuar um novo curso de formação TVDE por completo.

Aprovada lei que vai regular plataformas digitais como a Uber ou a Cabify foi

Contudo, a Kapten assegura que grande parte dos cerca de 900 operadores e quatro mil motoristas com quem trabalha têm a decorrer normalmente o processo de adaptação à nova lei.

“Identificámos que a maioria dos motoristas que concluíram as formações com as nossas escolas parceiras, obtiveram a licença num curto espaço de tempo. Essa situação deixa-nos, de facto, confiantes e bastante tranquilos quanto ao trabalho desenvolvido tanto por nós como pelos dos nossos parceiros”, comentou Sérgio Pereira, Diretor Geral da Kapten em Portugal.

Ainda assim, vai continuar a trabalhar de forma proactiva com todos os seus motoristas, visando agilizar o processo de licenciamento de forma correta, de modo a assegurar que, a 1 de março de 2019, mais de 90% dos motoristas estejam licenciados.

“Todos os nossos motoristas que ainda não têm licença foram informados sobre quais as medidas a tomar de forma a conseguirem-na o quanto antes, sendo que os que já têm o certificado de formação para submeter, têm recebido a licença num espaço de 24 horas”, sublinha o Diretor Geral da Kapten em Portugal, que admite não prever qualquer impacto na qualidade do serviço.

Chauffeur Privé passa a chamar-se Kapten. Este é o seu plano de negócios até 2020