Seja por razões de custo, impedimento à circulação ou consciência ambiental – ou simples questão de moda… –, mesmo nas empresas onde os propulsores a gasóleo motorizavam a esmagadora maioria do parque automóvel, começa a verificar-se a entrada gradual de soluções a gasolina.

E não estamos a falar de tecnologia híbrida, porque o aumento gradual do número de carros com motor a gasolina está a acontecer maioritariamente na renovação de escalões mais baixos, tipicamente utilitários e familiares compactos.

Há uma explicação simples para isso acontecer: o desenvolvimento de novas mecânicas a gasolina, mais leves e compactas, com ganhos de eficiência significativos (leia-se, menos consumos e menos emissões), porém, polivalentes na oferta de potência e binário, suficientes para movimentar veículos de segmentos distintos.

Um desses motores é precisamente este 1.3 TCe desenvolvido a meias entre a Aliança Renault e o grupo Daimler, para ser utilizado pelas marcas que representam, na concordância com as actuais e seguintes regras europeias em matéria de emissões.

Daí, já ter presente filtro de partículas (FAP) e, polivalência das polivalências, no caso da Renault, equipar desde o compacto Clio ao Kadjar, o SUV que, graças à recente alteração da lei, passou a ser Classe 1 com dispositivo Via Verde sem necessidade de alterar a suspensão.

O que torna este motor tão especial?

Testámos este novo motor em diversos modelos e nas várias potências que propõe, incluindo de diferentes marcas, com duas notas comuns em qualquer situação: consumos de facto reduzidos para uma unidade a gasolina (naturalmente variáveis em função do tipo de veículo, mesmo assim excelente quanto ao que é possível obter no mais pesado e mais volumoso Kadjar, por exemplo), além, de uma suavidade de acção extraordinária, graças à quase pronta disponibilidade de binário.

Muito por mérito da boa adaptação da caixa de velocidades (manual em qualquer dos carros ensaiados), que na maioria das vezes dispensa a necessidade de efectuar trocas de mudança para ganhar mais impulso, desde que numa toada de andamento descontraída.

A adaptação ao Mégane

Apesar da maior apetência do mercado por SUV, a carrinha Megane continua a ser bastante procurada em Portugal.

O que é notável dada a idade do projecto e o surgimento de propostas mais jovens e bastante competentes.

Não esquecendo a vantagem da capilaridade da rede da marca, a verdade é que o tempo pode ter vindo dar razão à marca quando apostou em desenvolver uma Sport Tourer com a ajuda de alguns conselhos portugueses.

A Megane ST continua não só a oferecer uma posição de condução muito boa, como é confortável, funcional, apresenta visibilidade suficiente para o exterior.

Enquanto carrinha, os 580 litros não são referência, é verdade, mas são suficientes para as necessidades familiares e o interior é versátil ao ponto do rebatimento do encosto do banco do passageiro permitir transportar objectos até 2,77 metros de comprimento.

Embora a gama Mégane denote algumas carências da possibilidade de acrescentar algum equipamento de segurança e ajudas à condução mais recentes, o sistema Multi-Sense continua a ser bastante útil, porque, mais do que permitir a selecção do ambiente luminoso ou da própria sonoridade do motor, esta tecnologia dá a escolher cinco diferentes parâmetros da condução, que, de forma muito subtil mas eficaz, melhoram o comportamento, aumentam os índices de confiança do condutor ou simplesmente economizam na carteira.

A unidade ensaiada apresentava a versão de motor com 140 cv (há uma mais comedida com 115 cv e jante de 16’’), que foi testada intensivamente durante centenas de quilómetros em estrada e menos em trânsito urbano, ambiente onde os consumos podem elevar-se apesar da assistência do sistema ‘start-stop’.

Provavelmente por isso, chegámos ao final do ensaio com uns muito comedidos 5,4 litros de consumo médio estampado no computador de bordo, o que até é um valor inferior ao homologado já em WLTP!

Ficha de Produto: Preço, rendas, consumo e motor

  • Preço:

29.648 Euros*

  • Rendas:

596,81 €/mês (36m)*

559,61 €/mês (48m)*

  • Consumo médio e emissões:

6,4 l / 100Km

145 gCO2/km*

  • Dados do Motor:

4 / 1.332 cc

140 / 4.500 cv/rpm

240 / 1.600 Nm/rpm