Para ajudar os profissionais a tomar as melhores decisões num mercado de carros usados em constante mudança, o observatório INDICATA disponibiliza um relatório semanal com os dados sobre as vendas e os preços do comércio em 13 países.

Esta fonte de informação para profissionais de remarketing pode representar uma vantagem competitiva na tomada de decisões sobre veículos de ocasião, já que avalia, diariamente, nove milhões de anúncios de veículos usados em toda a Europa.

Ao analisar os volumes de vendas e preços de mais de uma dúzia de países europeus, incluindo Portugal, o Observatório INDICATA fornece análises contínuas dos dados e tendências, tanto ao nível macro como ao nível micro, com isso gerando informações cruciais para lidar com questões como a atual pandemia da Covid-19.

A informação é disponibilizada de duas formas: um PDF com análises regulares do mercado disponíveis para todos na página do INDICATA e uma ferramenta online, com relatórios exclusivos, disponível para os gestores sénior nas principais gestoras de frotas, rent-a-car, fabricantes e grupos de retalho.

Covid ameaça mercado europeu de usados. INDICATA propõe soluções para manter residuais

Uma análise recente, lançada há cerca de 15 dias, foca-se no impacto nas vendas de veículos usados em 13 mercados europeus durante Março, e no impacto nos preços dos veículos usados durante os meses de Março e início de Abril.

Este gráfico avalia as diferenças de comportamento entre mercados em confinamento total face aos mercados com alguma negociação residual. Indexado à primeira semana de Março, a resiliência da Suécia (80%) e da Turquia, Holanda e Dinamarca (mantendo um volume de dois terços), contrasta com os países com elevado grau de confinamento, onde as vendas caíram drasticamente.

Olhando para o Reino Unido, Espanha, Áustria, Itália e França, onde entraram em confinamento com as medidas mais difíceis ou rápidas, os comerciantes mal tiveram tempo para reagir antes do fecho. Assim, foram mínimas as alterações de preço feitas.

Por outro lado, Dinamarca, Bélgica, Holanda e Suécia progrediram mais lentamente no distanciamento social ou com medidas menos rigorosas. Assim, as suas quedas de volume foram mais lentas ou menos pronunciadas do que em outros países, já que os comerciantes tiveram mais tempo para reagir, reduzindo mais os preços do que o grupo anterior.

Uma análise individual mais pormenorizada ao mercado holandês na Holanda revela que os veículos pequenos, inicialmente, sustentaram melhor os valores do que os veículos maiores, tanto em valor monetário, como em termos percentuais. Isto é típico de uma queda de mercado.

O caso turco, com 7,5%, pode parecer uma nota dissonante. Porém, olhando para as taxas de crescimento recentes do mercado, seria de esperar uma subida de 10%. A fuga para carros usados, tanto como “ativo de refúgio”, mas também alimentada pela falta de carros novos e
financiamento ao consumidor (relativamente) barato, criou potencialmente uma bolha de preços.

“O Observatório INDICATA reforça ainda mais o nosso comprometimento com o apoio à indústria para ajudar a gerir o impacto do Covid-19 no negócio dos usados. O nosso PDF e o portal online facultam aos decisores da indústria os melhores dados em tempo real para definirem uma estratégia, de curto e longo prazo, permitindo-lhes gerir com eficiência a oferta e a procura de carros usados ”, explicou Andy Shields, diretor global do INDICATA.

O mais recente relatório do Observatório INDICATA encontra-se aqui.