Revisão Ambiental

O Astra, como o novo Corsa, são fundamentais para a Opel reconquistar mercado. A sua renovação tornou-se obrigatória para responder aos novos desafios ambientais e já estava em marcha antes da marca alemão entrar no universo do grupo PSA.

Houve um tempo em que as carrinhas familiares dominavam e as da Opel eram rainhas desejadas por empresas e particulares. A fama de robustez e de qualidade das Kadett e depois das Astra rivalizaram em popularidade com as da Peugeot e Citroën ou com as eternas rivais Volkswagen. Até ao dia em que, gradualmente, os consumidores começaram a olhar com mais simpatia para os monovolumes e, algum tempo depois, para os SUV.

Este não é o único desafio para a gama Astra no que toca às empresas. A maior vem da própria concorrência interna e o facto de o novo motor diesel 1.5 de três cilindros não ter o mesmo grau de refinamento dos principais concorrentes, principalmente no que toca à resposta em baixos regimes, é outra contrariedade, porque obriga a recorrer constantemente à caixa de velocidades.

opel astra

Apesar disso, enquanto conjunto, a Astra ST é um carro bastante agradável de dirigir. Grama a grama, o construtor foi poupando no peso como forma de aumentar a eficiência, o que obrigou a enrijecer a suspensão, porém, sem prejudicar muito o conforto. Ainda assim, no limite, nas versões mais familiares, o adorno da carroçaria e o comportamento traseiro evidenciam a ausência de peso.

Revista a parte dinâmica, a outra face do trabalho incidiu sobre a aerodinâmica. Sem colocar em causa a estética ou a habitabilidade de um carro que pretende ser familiar, a Astra ST, não sendo das carrinhas que mais dá nas vistas, mantém alguma elegância e consegue proporcionar mais espaço interior do que o exterior permite adivinhar.

Novo Opel Astra: Renovação centrada na eficiência

Mais equipamento

A meio do ciclo de um produto lançado no final de 2015, a Opel Astra reequipa-se com mais equipamento de segurança e de ajudas à condução.

O interior conserva uma aparência sóbria que inspira confiança, mas aquilo que mais se destaca é o facto de ainda não ter aderido à total digitalização das funções. Mantém-se uma certa tradição na forma como as informações surgem atrás do volante, extraordinariamente completas, incluindo dois manómetros, um para a temperatura do óleo, outro para o líquido de refrigeração. Continua também racional e, sobretudo, seguro na forma como permite ao condutor operar instintivamente algumas funções (como a climatização), sem precisar de desviar o olhar da estrada.

A versão Business inclui um ecrã tátil a cores de 7”, a partir do qual é possível controlar o sistema multimédia e integrar as funções de smartphones Apple ou Android.

Intuitiva na condução e razoavelmente bem insonorizada, sem demasiadas vibrações para um motor de somente três cilindros, como familiar que se preza, a carrinha Astra mantém-se atual no que toca à habitabilidade. Mais do que no espaço para as pernas, o banco traseiro distingue-se pela largura e, se os 540 litros de capacidade da mala não são referência, o enquadramento e o alinhamento perfeito do piso, com os encostos traseiros rebatidos, acrescentam uma preciosa versatilidade familiar.

Porém, sem pneu de emergência.

Opel Grandland X Hybrid 4X2 em Portugal com preço para empresas abaixo dos 35 mil euros

opel astra

Impressões

Pela concorrência interna devido à competição do Insígnia, aos próprios SUV da Opel que tão boa conta dão de si, a gama Astra parece ter perdido parte do fulgor que já teve nas frotas.

Apesar de curta no que toca a capacidade de mala, quando comparada com propostas mais recentes, o lado prático da condução e o preço da versão Business para empresas mantém-na mais ou menos perfilada com as propostas semelhantes de outras marcas.

Incluindo na disponibilidade de equipamento, embora a agilidade de manobra, o conforto ajudado por pneus montados em jantes de 16” e algum conservadorismo do interior possam acabar por resultar a seu favor, principalmente junto de quem ainda preza a tradição.

Preço, rendas, consumo e motor

  • Custo de aquisição*:

23.746 euros

  • Rendas*:

632,30 euros (36 m)

565,57 euros (48 m)

  • Consumo médio e emissões:

4,7 l / 100Km

123 gCO2/km

  • Dados do Motor:

Diesel, 3 cilindros / 1.496 cc

122 / 3.500 cv/rpm

300 / 1.750-2.500 Nm/rpm

(*) Valores LEASEPLAN. Quilometragem anual contratada: 30.000 kms – Serviços incluídos: aluguer/iuc/ seguro (franquia 4%)/manutenção/ gestão de frota/ pneus ilimitados/ veículo de substituição – quilometragem técnica máxima: 200.000 kms