Em Portugal e na generalidade dos países europeus, uma viatura elétrica do segmento médio familiar tem um TCO inferior ao de um carro movido a gasolina ou a gasóleo, conclui o estudo europeu LeasePlan Car Cost Index 2020.

Este estudo analisa o verdadeiro custo de propriedade de um automóvel incluindo combustível, depreciação, impostos, seguros e manutenção.

E para este segmento, um VE médio familiar apresenta um custo mensal de 811 euros, face aos 910 euros para automóveis diesel e 1030 euros para veículos movidos a gasolina.

No segmento médio familiar (D2), os VE são “totalmente competitivos”, diz o Car Cost Index, em termos de comparação com os veículos de motor de combustão interna (ICE) em 14 países europeus: Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido.

Neste segmento, os VE apresentam custos mensais substancialmente inferiores na maioria dos países, contribuindo para isso o maior custo do gasóleo e da gasolina e a tributação mais elevada para efeitos de registo e circulação, especialmente no caso do gasóleo. Acresce a isso o cada vez maior número de subsídios e vantagens fiscais disponíveis para VE.

Já no segmento pequeno familiar (C1), os VE apresentam valores de TCO muito idênticos quando comparados com os ICE em oito países: Alemanha, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Suécia, Suíça e Reino Unido.

LeasePlan lança ChargeUpNow, uma iniciativa global que apela à criação de uma infraestrutura de carregamento universal

Esta realidade confirma a tendência europeia de que são cada vez mais os países em que os VE dos segmentos B1 e C1 se aproximam da paridade de custos comparativamente às soluções ICE – apresentam custos inferiores devido aos custos reduzidos de utilização, uma diferença que aumenta à medida que os VE são conduzidos durante mais tempo e maiores distâncias.

“Os custos dos VE estão a baixar e estamos a assistir ao desenvolvimento de um forte mercado de VE em segunda mão para os VE de qualidade usados”, diz Tex Gunning, CEO da LeasePlan.

Por outro lado, o responsável máximo da LeasePlan faz referência à falta de apoios governamentais no fornecimento de infraestruturas de carregamento necessárias para satisfazer a procura de mercado, o que pode representar um entrave na aquisição de um VE. “Os decisores políticos nacionais e locais precisam de acelerar agora e investir numa infraestrutura de tarifação universal, acessível e sustentável para permitir que todos façam a mudança para VE”, diz Gunning.

Custo de condução

O custo médio mensal de conduzir um veículo varia bastante no velho continente. Na Hungria, por exemplo, o custo médio mensal é de 491 euros. No extremo oposto está a Suíça, com um custo de 926 euros/mês.

Olhando para o tipo de energia, a Suíça e a Noruega são os países onde conduzir um motor a combustão interna é mais caro. No entanto, os VE são substancialmente mais baratos do que todos os ICE na Noruega e mais baratos do que os veículos a gasolina.

O que é o Car Cost Index?

O Car Cost Index da LeasePlan consiste numa análise abrangente dos custos de propriedade e utilização de um veículo, variando entre o segmento B e o segmento executivo.

Este estudo tem em consideração todos os custos envolvidos na propriedade de um automóvel em cada país (são analisados 18 países europeus) e é feita a média de custos dos primeiros quatro anos de propriedade, presumindo-se uma quilometragem anual de 30 mil quilómetros. Para efeitos do Índice, o “custo competitivo” é definido como: VE que não chegam a ser 5% mais caros do que os seus equivalentes ICE.

Os 18 países incluídos no Car Cost Index 2020 da LeasePlan são: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Países Baixos, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido.