Está em curso o concurso público, lançado pela MOBI.E, para a seleção de até quatro empresas que irão instalar dez hubs de carregamento de veículos elétricos (VE) para reforço da infraestrutura de carregamento pública.

Cada hub, que permitirá o carregamento simultâneo de 18 VE, será constituído por:

  • Um posto de carregamento ultrarrápido (150 kW)
  • Três postos de carregamento rápido (50 kW)
  • Cinco postos de carregamento normal (22 kW)

Até 6 de novembro, data limite do concurso público, as empresas a concurso terão de submeter as suas propostas na plataforma eletrónica ACinGOV, utilizada pela MOBI.E. Ao serem selecionadas, as empresas serão depois convidadas a apresentar as suas propostas para instalação de cada um dos dez hubs.

Incentivos à compra de veículos elétricos serão menores para as empresas em 2021. Particulares receberão a maior fatia

O projeto piloto que inclui a instalação destes hubs está integrado no Programa de Estabilização Económica e Social do Governo, contando com um financiamento do Fundo Ambiental de 1,75 milhões de euros. Trata-se de um investimento público que resulta de uma parceria que abrangerá diversos municípios portugueses, que têm como tarefa selecionar, disponibilizar e licenciar o espaço de instalação. À MOBI.E cabe a tarefa de instalação dos equipamentos de carregamento e respetivas ligações à rede elétrica.

Luís Barroso, o presidente da MOBI.E, diz que durante o processo de instalação será lançado um procedimento de contratação pública para a concessão da operação dos hubs, de forma a garantir que o início do seu funcionamento ocorra até final do primeiro trimestre de 2021.

EDP, GALP, KLC e Power Dot vencem Concessão da Exploração da Rede Piloto Mobi.E

Desde 1 de julho que os carregamentos elétricos deixaram de ser gratuitos. A MOBI.E anunciou o fim do período transitório e a necessidade dos utilizadores de VE possuírem um cartão de acesso à rede de mobilidade elétrica emitido por um dos Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME).