As exportações de componentes automóveis aumentaram 9,4% em setembro. Dados da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA) revelam que este é o terceiro mês consecutivo na subida destas exportações (julho: +1,4%, agosto: +3,1% e setembro: +9,4%). No nono mês do ano, as exportações de componentes automóveis aumentaram para os 947 milhões de euros.

Embora se registe um aumento nas exportações pelo terceiro mês consecutivo, o ano 2020 tem sido duro para o sector, sendo a queda acumulada de 16,3% em relação aos primeiros nove meses de 2019 (volume de 6,1 mil milhões de euros). Tais números representam uma diminuição de cerca de 1,2 mil milhões de euros nas vendas ao exterior entre janeiro e setembro deste ano.

AFIA e associações europeias apelam à criação de um Acordo de Comércio Livre entre a UE e o Reino Unido no pós-Brexit

A AFIA prevê que, para o último trimestre de 2020, haja nova retração no mercado automóvel devido às medidas de contenção aplicadas pelos governos europeus para fazer face ao aumento de casos de COVID-19. “É possível que se sinta uma redução das exportações dos componentes automóveis portugueses”, refere a associação.

Nos nove primeiros meses do ano, Espanha foi o principal destino das exportações, com compras de 1.805 milhões de euros (embora registe uma queda de 5,2% face ao mesmo período de 2019). A Alemanha foi o segundo destino, com 1.320 milhões de euros (-14,5%), e a França surge com um registo de 719 milhões de euros (-30,3%). O Reino Unido surge na quarta posição, com 419 milhões de euros em vendas (-34,1%).

A AFIA refere que, no total, estes quatro países concentram 70% das exportações portuguesas de componentes automóveis.