A ALD Automotive vai fazer renting de viaturas diretamente aos colaboradores das empresas que não tenham carro de serviço, como parte da sua estratégia de crescimento a médio prazo.

“Os colaboradores das empresas fazem parte de um novo segmento”, disse John Saffrett, deputy CEO da gestora de frota, numa conferência de imprensa de apresentação do plano estratégico até 2025.

“A ALD Automotive tem confiança neste segmento porque as empresas estão cada vez mais preocupadas com a forma como podem contribuir para um futuro mais sustentável”, disse. “E, além do carro de serviço, este esforço também tem a ver com as viaturas que os próprios colaboradores utilizam”.

A entrada no segmento dos colaboradores é parte da estratégia de crescimento que a ALD Automotive tem prevista para os próximos anos.

Mesmo admitindo que a recuperação só vai começar em 2022, a gestora espera chegar a 2025 com mais meio milhão de contratos do que agora.

Abordagem multi-canal

A estratégia da gestora passa por vários canais e uma mudança de atitude na forma de atuar.

Um primeiro ponto, com um simbolismo significativo, é de que a ALD Automotive deixa de ler os seus resultados em número de viaturas para o fazer em número de contratos.

O motivo para isto tem a ver com o facto de a mobilidade das empresas já não ser apenas viaturas, mas todo um conjunto de soluções. Mesmo as viaturas vão passar a ter um ciclo de vida dentro da gestora maior do que até agora.

Neste momento, a ALD Automotive, tal como outras gestoras, faz o renting de carros novos e também de usados, embora em menor número.

A ALD Automotive vai considerar este aluguer de usados como parte da estratégia de rentabilização do bem (o carro de serviço), antes de o colocar em remarketing. Mesmo antes deste momento, a gestora encara a possibilidade de fazer alugueres de um a dois anos a plataformas de car-sharing.

“Queremos ter o carro connosco em mais de um ciclo, levá-lo ao segundo, eventualmente terceiro ou quarto ciclo”, disse John Saffrett.

Os números são representativos: a gestora conta passar de 8 mil contratos de renting de usados em 2019 para 125 mil em 2025. Ou seja, 25% dos contratos existentes nessa altura vão ter uma segunda vida.

30% de eletrificação

A estratégia do aumento dos ciclos de vida das viaturas está em linha com a crescente eletrificação do parque automóvel.

A ALD Automotive quer ter 30% dos novos contratos em 2025, estando a fazer uma clara aposta nesse segmento.

Desde novos segmentos de clientes, a uma abordagem por TCO, passando por parcerias e um programa específico, a gestora espera cumprir este objectivo.

Uma das formas de o conseguir é ter uma solução end-to-end, desde a disponibilidade dos carregadores ao ALD Switch, que permite a troca para uma viatura a combustão quando for necessário dentro do contrato. A instalação de postos de carregamento e a faturação integral também estão previstas.

A gestora acredita que há uma clara tendência da propriedade para a utilização das viaturas, disse Tim Albertsen, CEO da ALD Automotive. “E neste mundo, queremos ser um fornecedor de mobilidade sustentável e totalmente integrado”, disse.

As parcerias estratégicas que a gestora tem com algumas marcas são para continuar e, mesmo em alguns casos, crescer. Um dos exemplos referidos foi o lançamento da Ford e-Transit, ao qual a gestora esteve associada.

Quatro pilares ALD Automotive

O desenvolvimento estratégico da ALD tem por base quatro pilares estratégicos que visam fortalecer a sua vantagem competitiva:

  • Move for CustomersSer reconhecido como o fornecedor mais inovador em produtos e serviços de mobilidade através da digitalização, customização, flexibilidade, excelente experiência do cliente e uma marca de mobilidade única
  • Move for Growth: Ser o líder global em soluções de mobilidade sustentáveis através do alargamento da cobertura geográfica e no alcance de mais clientes, com novos parceiros no ecossistema de mobilidade, aquisições de valor agregado e novas soluções de mobilidade
  • Move for Good: Ter as pessoas e a responsabilidade social corporativa no centro do modelo de negócio
  • Move for Performance: Gerar valor ao longo do ciclo económico dentro de uma estrutura operacional de negócios robusta e crescer através da eficiência de custos