A TomTom analisou os principais desafios da eletrificação e procurou perceber o que preocupa os condutores na hora de adquirir um veículo elétrico (VE).

A falta de estações de carregamento é um dos elementos mais dissuasores na hora de adquirir um VE. O fenómeno range anxiety (o medo de que um veículo elétrico perca a bateria) continua a ser determinante. “Habituámo-nos a abastecer o carro em qualquer bomba de gasolina ou estação de serviço sempre que necessário, sem pensarmos demasiado na gestão que temos de fazer até ficarmos sem combustível”, diz a TomTom, que reconhece que a existência de postos de combustível espalhados por todo o território nacional contrasta com a escassez de postos de carregamento para VE.

A TomTom diz que a [falta de] autonomia de um veículo elétrico é uma das características mais procuradas pelos condutores no momento de aquisição.

27% das empresas têm uma solução eletrificada na sua frota. BEV, PHEV e HEV já representam 15,5% do mercado nacional de ligeiros novos

Para a TomTom, os mapas em tempo real desempenham um papel fundamental na gestão da range anxiety. Não só porque revelam a localização de estações de carregamento e permitem planear a rota antecipadamente como também fornecem informação sobre a estrada, os limites de velocidade, os graus de inclinação e o estado do trânsito em tempo real. Informações como estas permitem uma gestão mais eficaz da bateria.

A empresa de tecnologia de localização refere ainda que os sistemas de navegação modernos são capazes de ter em conta fatores como o estilo de condução do condutor para tomar decisões totalmente personalizadas que afetam a eficiência energética do veículo.

De acordo com o relatório “Mission (almost) accomplished da Federação Europeia de Transporte e Ambiente, Portugal é, atualmente, o país com a quinta maior percentagem de venda de VE da Europa.

Em setembro, pela primeira vez na História, as matrículas de veículos eletrificados ultrapassaram o diesel na Europa.