Plug-in sempre pronto

O nome EQ Power é cada vez mais uma realidade nos automóveis Mercedes-Benz. Depois dos Classe C e E, a construtura de Estugarda batiza com esta denominação um dos modelos para empresa mais vendidos em Portugal e equipa-o com um sistema híbrido plug-in a gasolina.

Em outubro passado, a Mercedes-Benz foi a terceira marca que mais ligeiros de passageiros matriculou em Portugal, tendo sido, a par da Audi, o único símbolo premium a apresentar uma variação positiva nos registos de veículos novos relativamente ao mesmo mês de 2019. As tabelas de matrículas da ACAP – Associação Automóvel de Portugal, mostraram também que, nos primeiros dez meses de 2020, a Classe A da Mercedes-Benz foi a segunda em número de registos no país.

Parte desse sucesso deve-se à nova geração do Mercedes-Benz Classe A (MBA), um automóvel que viu o seu estatuto ser valorizado pelas evidentes melhorias ao nível da qualidade de construção, da tecnologia disponível a bordo e do intrínseco caráter desportivo.

Não se estranha, portanto, que a marca alemã siga a tendência já abraçada nas classes C e E e tenha equipado também o MBA com um sistema híbrido com 218 cv de potência combinada, o que lhe permite rivalizar, em desempenho, com o A 250 equipado com o bloco 2.0 Turbo de 224 cv.

O sistema híbrido plug-in do compacto, porem arisco, A 250e, assenta no bloco 1.3 litros Turbo a gasolina de 160 cv (resultado da parceria enter a Daimler e o grupo Renault), que opera em simultâneo com um motor elétrico de 75 kW. A coordenar ambos, uma muito bem escalonada e precisa caixa automática de dupla embraiagem (DCT) com oito velocidades. Em conjunto, as duas unidades transformam o MBA 250e num verdadeiro desportivo – personalidade talvez influenciada, também, pela sigla AMG presente nas jantes ou nos tapetes interiores.

A condução híbrida é um processo imperceptível, confortável e suave. Condução ainda mais suave é a conseguida no percurso silencioso e amigo do ambiente, em modo 100% elétrico, que pode ir até aos 75 km (em ciclo NEDC2) sem uma ida à tomada, graças à bateria de iões de lítio com 15,6 kWh de capacidade. No que respeita a carregamentos, o MBA 250e beneficia de um carregador interno que permite carregamento DC de 24 kW. Isto significa que é possível carregar até 80% da bateria em 25 minutos. Considerando uma wallbox de 7,4 kW (pode ser fornecida pela marca), o tempo de carregamento aumenta para 1h45m.

Orçamento do Estado para 2021 publicado em Diário da República

Impressões

Um Mercedes-Benz pensado para os que apreciam um automóvel responsivo. Beneficia de um sistema Dynamic Select, no qual é possível optar por diferentes modos de condução, sendo os modos “Electric” e “Eco” os que mais usufruem da capacidade da bateria de 15,6 kWh. É possível optar ainda pelo modo “Battery Level”, que preserva o nível de carga da bateria para posteriormente se poder conduzir em modo 100% elétrico, nomeadamente nos centros urbanos onde já só é permitida a circulação de veículos sem emissões de CO2.

Os apontamentos e a qualidade interior são os de sempre: é um Mercedes-Benz, e a qualidade nunca é esquecida. Os materiais e comandos disponíveis são robustos, agradáveis ao toque e com a garantia funcional já característica da marca.

Por se tratar de um híbrido plug-in, são evidentes as vantagens, sendo o valor referente ao IVA da aquisição dedutível.