A Stellantis apresentou, no evento EV Day 2021, a sua estratégia de eletrificação para os próximos anos.

O recém-criado grupo reforça a aposta nas zero emissões com um plano de investimento de 30 mil milhões de euros em quatro anos.

Carlos Tavares, CEO da Stellantis, foi claro: “o nosso compromisso com este plano (…) é o de oferecer veículos icónicos com o desempenho, a capacidade, o estilo, o conforto e a autonomia elétrica que se encaixem perfeitamente no seu quotidiano”.

Assim, da nova estratégia da Stellantis, destacam-se os seguintes objetivos:

  • Até 2030, 70% das vendas da Europa e mais de 40% nos EUA serão de veículos de baixas emissões (LEV)
  • Criação de quatro plataformas flexíveis BEV-by-design, família escalável de três módulos elétricos e baterias padronizadas para que sejam abrangidas todas as marcas e segmentos do grupo
  • Estratégia global de fornecimento de baterias com mais de 260 GWh até 2030
  • Tecnologia de baterias de estado sólido integrada em 2026
  • Duas soluções químicas de baterias até 2024: uma de elevada densidade energética e outra sem níquel nem cobalto

Stellantis tem nova estrutura em Portugal

Uma empresa focada no cliente

Cada marca do grupo tem para si proposta a tarefa de garantir autonomias e recargas rápidas nos seus próximos veículos – isto garantirá a aceitação generalizada dos BEV por parte dos consumidores.

Assim, a marca promete lançar um conjunto de veículos elétricos (VE) com autonomias entre os 500 e os 800 km e carregadores internos capazes de assegurar 32 km por minuto.

E as frotas não foram esquecidas

Para os clientes empresariais (e também individuais), a Stellantis está a preparar um conjunto de soluções que visam, primeiramente, simplificar a utilização de VE.

Haverá ofertas de carregamento inteligente – que utilizarão fontes de energia verde – resultantes das parcerias que a Stellantis mantém.

A Stellantis vai ainda apoiar o desenvolvimento de redes de carregamento rápido em toda a Europa, fruto de um memorando de entendimento assinado entre a Free2Move eSolutions e a Engie EPS.

30 mil milhões de euros até 2025

Até 2026, o grupo liderado por Carlos Tavares planeia alcançar, de forma sustentável, uma margem operacional corrente de dois dígitos.

“Contamos com a escala, as competências, o espírito e a sustentabilidade para alcançar margens operacionais de dois dígitos, para liderar a indústria com eficiências de referência e entregar veículos eletrificados que inflamam as paixões”.
– Carlos Tavares

Mas os objetivos não se ficam por aqui.

O grupo, que nasceu há seis meses, quer ser referência na oferta de mobilidade e eletrificação está em cima da mesa, ou não fosse a ambição de, até 2030, o mix de LEV da Stellantis para ligeiros de passageiros ter o objetivo de crescer para mais de 70% na Europa.

Mas como é que a Stellantis vai lá chegar?

A Stellantis vai criar um conjunto de investimentos na eletrificação e desenvolvimento de software.

Dos 30 mil milhões de euros gastos até 2025, parte será alocada a capital em joint ventures tecnológicas, que vão desde operações de e-powertrain e e-transmission até à química inerente à produção de pilhas de baterias, passando pela construção de cockpits digitais e serviços conectados.

Acresce também a estratégia de fornecimento de baterias da empresa, que pretende garantir mais de 130 gigawatts/hora (GWh) de capacidade até 2025 e mais de 260 GWh até 2030.

A oferta será garantida por cinco gigafactories situadas na Europa e América do Norte e que serão complementadas com contratos de fornecimento adicionais e parcerias.

E não é só de investimento que vive a estratégia da Stellantis

Também na reparação, regabrico e utilização em segunda vida e reciclagem das baterias, o que garantirá, diz a empresa, um sistema sustentável capaz de responder às preocupações ambientais.

Os custos das baterias também serão diminuídos. Os custos com os packs de baterias para VE serão reduzidos em mais de 40% nos próximos quatros anos e em 20% adicionais até 2030.

Investimento em tecnologia

Vão nascer quatro plataformas BEV dedicadas a todos os veículos eletrificados das marcas Stellantis.

Projetadas com um nível de flexibilidade (comprimento e largura) e partilha de componentes, estas plataformas vão proporcionar economias de escala – cada uma destas plataformas vai suportar uma produção máxima de dois milhões de unidades/ano.

Estão assim previstas as seguintes plataformas:

  • STLA Small: autonomia máxima de 500 km
  • STLA Medium: autonomia máxima de 700 km
  • STLA Large: autonomia máxima de 800 km
  • STLA Frame: autonomia máxima de 800 km

A propulsão destas plataformas será assegurada por um conjunto de três módulos elétricos (EDM) que combinam motor, caixa de velocidades e inversor.

Cada um destes EDM, compacto e flexível, pode ser dimensionado e configurado para tração traseira, dianteira, integral e 4xe.

Quanto às baterias, que serão adaptadas para diferentes veículos, a gama será composta desde propostas mais pequenas até packs mais densos.

E para assegurar o prolongamento da vida das plataformas, a Stellantis compromete-se a desenvolver um programa de atualizações de hardware e também de software em modo over-the-air.

Os controlos e software serão desenvolvidos internamente pela Stellantis por forma, garante a empresa, a manter as características únicas de cada marca neste novo desafio de eletrificação.