Depois do fabrico das primeiras unidades para testes junto de clientes, a Bosch já deu início à produção em massa de um novo tipo de semicondutor em carboneto de silício destinado à indústria automóvel e da mobilidade.

“O futuro dos semicondutores de carboneto de silício é brilhante. Queremos tornar-nos um líder global na produção de chips de SiC para eletromobilidade”, Harald Kroeger, membro do conselho de administração da Robert Bosch GmbH

Ao contrário dos atuais semicondutores de potência produzidos em silício ultra puro, os novos chips da Bosch recorrem ao carboneto de silício (SiC).

Dossier: A tempestade perfeita para a indústria automóvel (I)

As vantagens face ao silício puro, refere a Bosch, são uma melhor condutividade elétrica e  frequências de comutação mais altas, ao mesmo tempo que garantem que muito menos energia seja dissipada sob a forma de calor.

Os dispositivos que empreguem chips SiC podem ainda ser operados em temperaturas muito mais elevadas, necessitando, por isso, de menos arrefecimento. O que, por si, já resulta em economia de energia.

Finalmente, as propriedades de resistência elétrica do carboneto de silício permitem a produção de componentes de menor dimensão, com uma maior eficiência de conversão de energia. Daí que, em comparação com os chips de silício convencionais, os especialistas acreditem que tal resultará numa economia de energia de até 30%, dependendo da sua utilização.

Há dois anos que a Bosch tem vindo a desenvolver tecnologia própria para fabricar os seus próprios semicondutores e, no início de 2021, deu início ao fabrico de amostras para validação junto dos clientes.

A Bosch pretende agora expandir a sua capacidade de produção de semicondutores de potência de SiC para um volume unitário de centenas de milhões.

Neste sentido, a empresa já começou a expandir instalações na sua fábrica de Reutlingen, na Alemanha, estando para isso a contar com o apoio da parte do governo alemão.

“Há muitos anos que oferecemos suporte para ajudar a estabelecer a produção de semicondutores na Alemanha. A produção de semicondutores altamente inovadora da Bosch fortalece o ecossistema microeletrônico na Europa e é mais um passo na direção a uma maior independência neste campo chave da digitalização ”, disse Peter Altmaier, o anterior ministro Federal de Assuntos Econômicos da Alemanha.