A ADENE tem como missão informar cidadãos, empresas e administração pública para a eficiência e transição energética nas diversas áreas da sociedade.

É também este o papel da ADENE na mobilidade, uma das áreas-chave para esta mudança de paradigma rumo à neutralidade carbónica e à sustentabilidade.

Acreditamos que a única maneira de fazê-lo com sucesso é através da proximidade a todos os cidadãos e agentes do sector. Essa proximidade é, por isso, um dos traços fulcrais da iniciativa MOVE+, quer através da oferta formativa, quer através da aplicação da metodologia de avaliação e melhoria das práticas de gestão de frotas.

Dois anos após o lançamento do MOVE+, na 8.ª Conferência de Gestão de Frotas organizada pela FLEET MAGAZINE, é com satisfação e reconhecimento pelas entidades pioneiras deste sistema, que partilhamos alguns resultados que demonstram o contributo deste sistema para as metas nacionais de descarbonização: o MOVE+ abrange já mais de 5.000 viaturas, levando as entidades aderentes a identificar medidas de melhoria que permitem poupar 1,7 milhões de euros por ano e aumentar a percentagem de viaturas elétricas de 11% para 21%, em média, no curto prazo.

Estas são perspetivas muito positivas e motivadoras, que estamos a ajudar a tornar viáveis nestas entidades, através do ciclo de melhoria contínua do MOVE+, e que vamos alargar a mais entidades e sectores.

Como refere Nelson Lage, Presidente da ADENE, “queremos que o impacto e o alcance desta iniciativa sejam cada vez maiores e por essa razão decidimos tornar a aplicação do MOVE+ mais acessível para todos, reduzindo os custos de certificação e abrindo a possibilidade, a todas as frotas de ligeiros, de simular o potencial de poupança e de eletrificação, a partir do próximo ano, através de uma funcionalidade aberta e simplificada”.

Embora as viaturas ligeiras sejam responsáveis pela maior fatia do impacto ambiental – cerca de 60% – devido ao transporte rodoviário, não podemos ficar por aqui, sendo portanto essencial aumentar o alcance do MOVE+ também em termos sectoriais. Por isso, lançamos a metodologia MOVE+ para pesados de mercadorias na 9.ª Conferência de Gestão de Frotas da FLEET MAGAZINE.

Com esta ferramenta inovadora esperamos reforçar a cultura de melhoria contínua já existente em muitas das empresas do sector, mobilizar os trabalhadores, bem como as restantes partes interessadas, para o papel que podem ter na transição energética e climática.

Queremos garantir que, também neste sector, é reforçada a capacidade de identificação do potencial de minimização do impacto ambiental das frotas, já evidente na metodologia MOVE+ dedicada a viaturas ligeiras.

Não esquecendo, que a caracterização final das frotas do país e da sua utilização, apoiará a monitorização e o desenho de políticas públicas mais eficazes, com vista à aceleração da transição energética do sector.

O lançamento do MOVE+ Pesados de Mercadorias pode surgir, dirão alguns, antes do seu tempo, visto que soluções mais sustentáveis começam a chegar timidamente ao mercado e os tempos que se seguem são de recuperação de uma crise para a qual ninguém estava preparado.

Mas é precisamente neste momento-chave, de mudança e desafio, que nos devemos aproximar do sector, estabelecer canais de comunicação e partilha das soluções e antecipar o futuro, de modo a contribuir para a recuperação económica e climática.

De acordo com o cenário traçado pela Agência Internacional de Energia para a neutralidade carbónica em 2050, o consumo de combustíveis fósseis no sector dos transportes terá de diminuir 20% em 2030, e cerca de 90% em 2050.

É agora o tempo de aquecer os motores ou, dito de outra forma, de carregar baterias!

O MOVE+ existe, agora também para os pesados de mercadorias, para ajudar a percorrer este caminho com a máxima eficiência e sustentabilidade.