Com cerca de mais 2.150 de matrículas de automóveis ligeiros de passageiros do que a Renault, a Peugeot atinge a liderança do mercado automóvel em Portugal em 2021

A conquista da Peugeot aconteceu em várias frentes: nos ligeiros de passageiros, na lista dos modelos 100% elétricos e, apesar de perder por 41 unidades na dos ligeiros de mercadorias, na soma destas duas tabelas, a Peugeot foi também a marca que matriculou mais automóveis ligeiros em Portugal.

O Peugeot 2008 foi ainda o carro preferido dos portugueses.

Já a Mercedes-Benz superou a BMW por pouco mais de cem unidades e conquistou o terceiro lugar na tabela reservada aos ligeiros de passageiros.

mercado automovel Portugal 2021
Pódio das marcas automóveis em Portugal
Dados ACAP referentes a 2021, Veículos Ligeiros de Passageiros

Quem sobe, quem desce…

De acordo com os dados da ACAP, na lista de marcas com mais de duas mil matrículas em 2021, duas evidenciaram um crescimento significativo face a 2020:

  • Hyundai, com mais de 2.500 veículos ligeiros de passageiros do que no ano anterior (+ 49,3%);
  • Kia, com mais de duas mil unidades vendidas em comparação com 2020 (+ 62,1%).

Em sentido contrário, em valores absolutos:

  • Renault foi a marca que mais perdeu, quase 3.200 ligeiros de passageiros a menos do que em 2020 (-17,1%);
  • Mercedes-Benz e Fiat perderam, cada uma, mais de duas mil unidades face a 2020.

Outros fatores em destaque nesta tabela referente aos números dos veículos ligeiros de passageiros:

  • Dezassete marcas automóveis realizaram mais de três mil matrículas. As mesmas que em 2020;
  • Vinte e duas marcas automóveis matricularam mais de mil unidades. Menos uma (Honda) do quem em 2020;
  • Toyota sobe à 6.ª posição. Foi 11.ª em 2020;
  • Hyundai ascende à 7.ª posição. Foi a 12.ª marca em 2020;
  • SEAT e Volkswagen, duas marcas do mesmo grupo trocam de posição na tabela: a VW supera a marca espanhola e passa a ocupar o 8.º lugar, enquanto a SEAT desce à 9.º lugar;
  • A FIAT cai do 7.º lugar das marcas em 2020 para o 14.º posto em 2021;
  • Em sentido contrário ascendem Dacia e KIA; a primeira da 14.ª para a 11.ª posição, enquanto a marca coreana sobe do 16.º lugar para se tornar na 12.ª marca com mais matrículas em 2021.

2021, um ano atípico para o mercado automóvel

Depois de um 2020 bastante condicionado pelo efeito da pandemia, com períodos de confinamento que restringiram o comércio presencial, esperava-se uma recuperação mais robusta do sector automóvel.

Contudo, a falta de componentes e as dificuldades de abastecimento condicionaram grandemente esse movimento, afectando principalmente as marcas mais expostas a fornecedores do sudeste asiático.

Dossier: A tempestade perfeita para a indústria automóvel (I)

Razões que explicam a fraca evolução dos números em praticamente todos os mercados europeus, Portugal incluído: um crescimento de 0,8% no segmento dos ligeiros de passageiros e de 4,4% nos ligeiros de mercadorias garantiu um saldo final positivo de 1,4%, cerca de 2.500 veículos a mais do que os matriculados em 2020.

Estes números contrastam claramente com os registados no ano anterior à pandemia; em comparação com 2019, verificou-se uma perda de mercado de 34,5% nos ligeiros de passageiros e de 25,1% nos ligeiros de mercadorias.

Dezembro de 2021 foi também mais um mês de queda para a maioria das marcas automóveis em Portugal.

E face aos últimos indicadores mundiais e à evolução da mais recente vaga da pandemia, as causas que provocaram a redução da produção em 2021 deverão manter-se durante grande parte do corrente ano.

Elétricos sobem 69,3%

A exemplo dos principais países da União Europeia, a quota de mercado dos veículos 100% elétricos está a crescer em Portugal.

Em 2021 matricularam-se 13.260 unidades, mais 69,3% do que em 2020, representando já 7,8% dos carros novos vendidos no nosso país.

Com 1.508 registos, a Tesla não ocupa, porém, a 1.ª posição.

Esse lugar cabe de novo à Peugeot.

As duas marcas foram as únicas a superar a fasquia das 1.500 unidades, ficando a Renault na terceira posição, com pouco mais de 1.250 matrículas.

Menos expressivo foi o crescimento dos modelos híbridos plug-in.

No entanto, as 15.660 matrículas são um volume significativo perante o total de registos de 2021 e indicam um aumento de 32% face a 2020.

Matrículas nacionais de elétricos cresceram 69% em 2021