A Audi apresentou o seu 360factory, um plano estratégico empresarial que passa pela reconversão de todas as suas fábricas, que antes do final da década estarão a produzir veículos 100% elétricos.

A 360factory é tão-somente, nas palavras da empresa, uma visão do futuro que coloca igual ênfase na relação custo-eficácia, sustentabilidade, flexibilidade e atratividade.

360factory – objetivos

  • Até 2025, todos os funcionários das fábricas Audi receberão formação para trabalhar com veículos elétricos (um investimento de cerca de 500 milhões de euros);
  • A partir de 2026, só lançará – no mercado mundial – modelos 100% elétricos;
  • Eliminar gradualmente, até 2033, a produção dos seus modelos a combustão;
  • Reduzir para metade, também até 2033, os seus custos de fábrica;
  • Até 2029, todas as fábricas da marca premium produzirão veículos 100% elétricos;
  • Só serão construídas novas fábricas Audi quando for necessária mais capacidade.

Ser “um fornecedor de mobilidade premium sustentável”. É assim que Gerd Walker, membro da direção de Produção e Logística da Audi define o percurso agora iniciado.

Contrariamente aos seus principais concorrentes, Walker diz que o caminho passa por “levar as fábricas Audi para o futuro”, e acrescenta que a marca vai investir nas fábricas já existentes de forma a que sejam tão eficientes e flexíveis como as instalações de produção recém-construídas ou de raiz.

Audi quer dar uma segunda vida às baterias usadas dos seus elétricos

Reduzir custos com fábricas

Neste plano, a Audi apresenta também os objetivos de se tornar mais económica, sustentável, apelativa e flexível. Objetivos esses que assentam numa ambiciosa meta: assegurar que os custos anuais das fábricas sejam reduzidos para metade, já antes de 2033.

Para o conseguir, a marca dos quatro anéis quer reduzir a complexidade dos seus veículos sempre que tal não beneficie o cliente.

Assim, o desenvolvimento de veículos terá em conta um processo de produção racionalizado desde a primeira fase.

Produção flexível e sustentável

A marca diz querer ser capaz de responder de forma mais eficiente às flutuações da procura do cliente ou do programa de produção. Como tal, compromete-se a tornar os seus processos de fabrico “ainda mais flexíveis”.

Com efeito, o novo Audi Q6 e-tron, por exemplo, será produzido inicialmente na fábrica de Ingolstadt, na mesma linha que os modelos A4 e A5. Os modelos elétricos irão então substituir gradualmente os veículos de combustão nas linhas de produção.

Reduzir o impacto ambiental

Até 2030, a empresa pretende reduzir para metade o seu impacto ambiental absoluto nas áreas de consumo de energia primária, emissões de centrais elétricas, equivalentes de CO2, poluentes atmosféricos, risco hídrico local e volumes de águas residuais e resíduos (em comparação com o valor de 2018).