O mercado de ligeiros de passageiros voltou a sofrer, em maio, uma queda abrupta. Desta vez as matrículas de ligeiros caíram 52,3% na União Europeia. Portugal, no entanto, registou uma quebra acima da média europeia (-74,7%) face ao período homólogo de 2019.

Embora as medidas de desconfinamento estejam em vigor na maioria dos países europeus desde maio, o número de matrículas de ligeiros na Europa caiu para mais de metade (581.161 unidades contra as 1.217.259 unidades matriculadas em maio de 2019).

Todos os mercados europeus registaram quebras na ordem dos dois dígitos, embora se tenha assistido a uma ligeira subida face a abril. Entre os principais mercados, Espanha registou a maior quebra (-72,7%). França registou uma quebra de 50,3%, Itália caiu 49,6% e a Alemanha recuou 49,5%.

Já no que respeita ao período acumulado, a Europa apresenta uma quebra de 41,5% nas matrículas de ligeiros de passageiros. Portugal apresenta um saldo negativo de 47,9% no total de matrículas entre janeiro e maio deste ano.

São dados da ACEA – Associação Europeia dos Construtores Automóveis.