Embora durante o mês de dezembro o mercado nacional online B2C de usados tenha registado uma ligeira subida para o gasóleo, a tendência para este tipo de motorização continua a ser descendente, com a gasolina a fazer cada vez mais parte das escolhas dos compradores de usados (este tipo de combustível representou já 30,1% do mercado do último mês de 2023, em comparação com os 25,54% registados em 2021).

É certo que o gasóleo continua rei e senhor no sector dos veículos comerciais (96,84% da quota, em dezembro), mas é nos ligeiros de passageiros (VLP) que se começam a verificar as mudanças em relação às motorizações preferidas.

Se olharmos para o mercado online B2C de VLP usados com menos de quatro anos em Portugal, durante o mês de dezembro, estas eram as quotas de mercado verificadas:

  • Gasolina está a subir para 43,04%;
  • Gasóleo em tendência contrária, desce para 25,69%;
  • 100% elétricos (BEV) ocupam já o terceiro lugar nas preferências dos compradores, com 11,81% de quota de mercado;
  • Híbridos e híbridos plug-in foram ultrapassados pelos BEV, ocupando agora o quarto lugar com 11,54% de quota de mercado;
  • Os mild-hybrid mantêm-se no quinto posto, com uma quota de mercado de 7,91%.

Estes números, compilados pelo mais recente Observatório INDICATA, dão ainda a conhecer que a gasolina, sendo a motorização mais popular, é também a que vende mais rapidamente. A métrica Market Days’ Supply (MDS), que compara o stock disponível com a taxa diária de vendas, viu o MDS da gasolina melhorar para 91 dias já em janeiro deste ano, com as outras motorizações todas dentro de uma margem compreendida entre 102 e 104 dias.

Mercado online de usados: gasóleo vende cada vez menos e preços dos 100% elétricos em queda

Redução nos preços

Já no início de janeiro de 2024, os preços médios dos usados online B2C caíram 0,9 pontos percentuais relativamente a dezembro de 2023. Tal representa 12 meses consecutivos de reduções mensais de preços.

Assim, os preços no início de 2024 são agora 5,7 pp mais baixos do que no início de 2023. No entanto, a elevada inflação dos usados a que assistimos nos anos anteriores não foi ainda totalmente compensada.

O Observatório INDICATA diz ainda que, embora se tenham registado algumas variações nos movimentos mensais dos preços médios dos grupos motopropulsores durante o mês de dezembro, estas foram pouco significativas, com os BEV a conseguirem mesmo manter os seus preços estáveis durante o mês.

No entanto, muitas questões permanecem sem resposta no que diz respeito à procura efectiva de veículos usados BEV em toda a Europa, o que pode levar a novas reduções de preços durante 2024.