A Michelin apresentou a sua estratégia “Tudo Sustentável” 2030: Michelin in Motion, com objetivos concretos a dez anos.

Da visão “Tudo Sustentável” do grupo francês fazem parte os compromissos com as pessoas, o planeta e os resultados económicos (People, Planet, Profit).

A marca quer ir “além do pneu”, e por isso destaca, nestas três áreas distintas, os seguintes objetivos:

Pessoas

  • Alcançar um nível de compromisso dos funcionários superior a 85%
  • Aumentar a proporção de mulheres em cargos de direção até 35%
  • Ser referência mundial em segurança no trabalho

Planeta

  • Reduzir as emissões de CO2 e alcançar a neutralidade carbónica em 2050
  • Aumentar a taxa de matérias-primas sustentáveis em todos os produtos: 40% até 2030 e 100% em 2050

Resultados económicos

  • Crescer de forma sustentada com uma progressão anual de vendas média de 5% entre 2023 e 2030
  • Realizar entre 20% e 30% das vendas em negócios não relacionados com pneus
  • Garantir criação de valor, com um retorno sobre capital empregado superior a 10,5% entre 2023 e 2030

https://fleetmagazine.pt/2021/01/18/antonio-crespo-michelin-espana-portugal/

“Além do pneu”

A empresa diz estar determinada em desenvolver-se “fortemente” em cinco sectores em torno dos pneus e para além dos mesmos: serviços e soluções, materiais compostos flexíveis, sector médico, impressão 3D em metal e mobilidade baseada no hidrogénio.

Assim, a Michelin vai investir no campo da mobilidade elétrica e da mobilidade baseada no hidrogénio, onde planeia tornar-se num líder mundial em sistemas de pilhas de combustível de hidrogénio através da Symbio, a joint-venture que detém com a Faurecia.

Já no domínio dos serviços e soluções, a empresa prepara-se para ampliar a sua oferta de soluções para frotas, com base na conectividade e na análise de dados.

A marca planeia ainda crescer no campo dos compostos flexíveis (cintas transportadoras, correias, revestimento de tecidos e juntas, por exemplo) através de uma política de fusões-aquisições que criem valor.

Já em 2023…

  • Em dois anos a Michelin pretende alcançar uma poupança anual líquida de 80 milhões de euros;
  • Além disso, e também até 2023, a empresa espera poupar nos custos gerais e administrativos, nas atividades relacionadas com o negócio de pneus, cerca de 65 milhões de euros líquidos. Em 2025 este número, espera a empresa, deve cifrar-se nos 125 milhões de euros;
  • Até 2023 a marca espera alcançar um número de vendas em torno dos 24.500 milhões de euros, com um resultado operacional superior a 3.300 milhões de euros e um cash-flow livre estrutural de 3.300 milhões de euros acumulados em 2022 e 2023;
  • O grupo Michelin decidiu ainda reverter a sua política de distribuição de dividendos e propõe-se a alcançar uma taxa dos benefícios distribuídos em dividendos, excluindo elementos não recorrentes, de 50% a partir de 2021.

A nova estratégia da Michelin pode ser consultada aqui.