Parte importante do êxito da Škoda está no interesse que desperta para as empresas. A marca é um exemplo de como conquistar valor neste canal, desenvolvendo propostas acessíveis com uma oferta adequada de equipamento, combinando design exterior, habitáculos amplos e funcionais e motores ajustados a cada necessidade.

O custo total com uma determinada viatura é um dos aspetos mais importantes para quem decide a escolha de um carro de empresa.

Nas contas que somam todos os encargos com o automóvel ao longo de um prazo estimado de tempo e de quilómetros entram, não apenas o custo de aquisição, como todos os que decorrem da sua utilização e também os impostos.

À soma de todos os encargos é deduzido o valor residual, ou seja, o preço de mercado estimado par aa viatura após o período previsto da sua utilização, independentemente de se tratar de uma aquisição para propriedade ou de um contrato renting.

Os utilizadores de carros de empresa têm outras prioridades e valorizam a imagem, o conforto, a perceção de qualidade, a disponibilidade de equipamento, uma condução que transmita segurança e prazer e, dependendo das necessidades individuais, apreciam o espaço interior, a versatilidade e a funcionalidade do veículo.

Quando se analisa a trajetória da Škoda desde a sua integração no grupo Volkswagen, percebe-se que a popularidade e presença da marca no canal das frotas advém precisamente do trabalho executado em todos estes aspetos.

E porque os fatores que contribuem para a notoriedade do modelo enquanto automóvel novo continuam a ser os mesmos que o valorizam quando ingressa no mercado de usados, uma desvalorização mais contida (valor residual mais elevado) favorece bastante os custos totais de propriedade (TCO) e influencia de forma positiva o montante das rendas de um financiamento renting.

TCO: quanto ‘custa’ um carro elétrico?

Integrada no grupo Volkswagen em 1991, o maior reconhecimento da marca foi conseguido sem perda de identidade ou colocar de parte aspetos que a tornam tão apreciada junto de condutores e famílias.

Nomeadamente a competência de oferecer mais por menos, seja em termos de habitabilidade, conforto ou economia, mas também no que respeita a soluções funcionais “simply clever”, fiéis aos princípios que fazem parte da história da marca checa.

OCTAVIA: diesel e PHEV com o mesmo custo de aquisição

O Škoda Octavia simboliza o sucesso das sinergias do grupo e é também o que está mais presente nas empresas.

Foi o primeiro a afirmar claramente uma excelente relação custo/benefício, tanto em carroçarias de cinco portas como em carrinha.

Destaca-se por parecer um modelo acima do seu segmento e é dotado de uma enorme bagageira.

A quarta geração mantém o princípio ativo, mas a fórmula foi melhorada em termos de qualidade, dotação de equipamentos e, sobretudo, na diversidade de motores: uma mecânica plug-in, com condições para beneficiar de uma taxa reduzida de 5% de Tributação Autónoma, permite às empresas decidirem entre um Octavia iV (PHEV) ou um Octavia 2.0 TDI com 116 cv.

O valor de aquisição é igual, 24.990 euros, após a dedução do IVA por parte do primeiro.

ENSAIO: Škoda OCTAVIA Break 2.0 TDI/116 cv

SUPERB: o luxo acessível

No segundo patamar da Tributação Autónoma, o Škoda Superb rima com elegância, conforto e habitabilidade.

Na versão berlina com motor 2.0 TDI com 150 cv é proposto por 32.490 euros.

Com mais luxo, presença e num nível requintado de equipamento que celebra os fundadores da marca – Laurin & Klement -, o Superb iV vem equipado com um motor plug-in com 218 cv.

Porque este facto permite a dedução do IVA por parte de empresas e empresários em nome individual, colocando o seu custo de aquisição nos 34.290 euros, esta versão beneficia de uma taxa reduzida de Tributação Autónoma de 10%.

KAROQ e KODIAQ: cinco ou sete lugares?

Karoq e Kodiaq são sinais de modernidade da Škoda, modelos com a tipologia SUV, a mais desejada dos consumidores europeus.

Com a versatilidade própria de um SUV, o Škoda Karoq alia uma oferta invejável de equipamento à reconhecida eficiência do motor 2.0 TDI que, na versão de 150 cv proposta para empresas, com preço de aquisição dentro do primeiro escalão da Tributação Autónoma, mostra-se capaz de tornar mais agradável qualquer viagem de negócios.

O Kodiaq é o topo de gama da Škoda em termos de qualidade e de oferta de equipamento.

Com as características naturais de condução e de desempenho de um SUV, é a solução indicada para quem procura um automóvel de sete lugares no segundo patamar da Tributação Autónoma, com vantagem de ser Classe 1 nas portagens.